• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Bancos estão preparados para atrair usuários de cripto, indica pesquisa

Um estudo da Capco, consultoria global de gestão e tecnologia dedicada ao setor de serviços financeiros, revelou que as grandes instituições financeiras já podem oferecer custódia e negociação de ativos digitais
Segundo Alexandre Bueno, gerente sênior da Capco e head do Capco Digital Lab São Paulo, as instituições bancárias devem focar nos clientes do varejo (Getty Images/ROSLAN RAHMAN / Colaborador)
Segundo Alexandre Bueno, gerente sênior da Capco e head do Capco Digital Lab São Paulo, as instituições bancárias devem focar nos clientes do varejo (Getty Images/ROSLAN RAHMAN / Colaborador)
Por Cointelegraph BrasilPublicado em 12/05/2022 10:30 | Última atualização em 11/05/2022 19:45Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Estudo recente da Capco, consultoria global de gestão e tecnologia dedicada ao setor de serviços financeiros do Grupo Wipro, projeta que a capitalização do mercado de criptomoedas deve chegar a US$ 24 trilhões até 2027 e as instituições financeiras tradicionais estão bem posicionadas para capturar a demanda decorrente desse crescimento, oferecendo serviços de custódia e negociação de ativos digitais.

De acordo com o relatório “Capco Intelligence: Considerações sobre custódia de ativos digitais para empresas do mercado de capitais)", “os ativos digitais estão crescendo em popularidade e há uma oportunidade para as instituições financeiras serem um balcão único para armazenar esses ativos.

Segundo Alexandre Bueno, gerente sênior da Capco e head do Capco Digital Lab São Paulo, as instituições bancárias devem focar nos clientes do varejo, que muitas vezes não têm o conhecimento técnico e as ferramentas necessárias para gerenciar seu patrimônio de forma segura. E acrescenta:

"“Uma pesquisa recente mostra que 60% dos proprietários de criptomoedas usariam sua instituição financeira para investir em criptomoedas. Outros 32% disseram que poderiam fazê-lo. É uma oportunidade clara para os bancos de varejo desenvolverem custódia digital para os consumidores. À medida que a aceitação dos ativos digitais cresce, instituições financeiras tradicionais começam a oferecer um conjunto maior de serviços que atendem a esta nova classe de ativos. Instituições financeiras como BNY Mellon e Fidelity oferecem serviços completos de custódia de criptomoedas para gestores de ativos. Este é um sinal importante para o mercado de que a adoção de segurança generalizada está a caminho. Os ativos digitais não estarão mais associados à periferia da sociedade econômica”.

(Mynt/Divulgação)

A demanda decorrente da popularização da adoção de criptoativos cria oportunidades para as instituições financeiras oferecerem seus serviços aos clientes em todo o mundo. Para justificar sua colocação, Bueno destaca que há cinco anos existiam menos de 15 milhões de carteiras digitais registradas. Hoje, este número já se aproxima dos 60 milhões.

Segundo o relatório da Capco, as institiuições financeiras tradicionais já contam com a confiança dos investidores, têm envergadura no mercado, histórico de relacionamentos com os clientes e protocolos de segurança para proteger, gerenciar e manter os ativos tradicionais e agora também os digitais.

A pareceria com empresas criptonativas também surgem como uma opção, destaca Bueno, projetando a integração entre empresas de serviços financeiros tradicionais com empresas do nascente ecossistema de ativos digitais:

“Parcerias com terceiros permitem que instituições financeiras tradicionais ofereçam um amplo escopo de serviços de custódia de ativos digitais. Empresas de ativos digitais como, por exemplo, Coinbase, Anchorage e BitGo, estão oferecendo diferentes níveis de cobertura de seguro aos clientes usando suas plataformas."

No entanto, o estudo sugere que as instituições precisam investir em questões como segurança, escalabilidade e interoperabilidade com vistas a construção de uma infraestrutura apropriada.

A custódia de criptoativos tem diferenças importantes em relação à custódia de ativos tradicionais. A principal é que existem, hoje centenas, ou até mais, de criptoativos e muitos deles estão abrigados em sua própria rede blockchain.

Regulação

A regulação também vai impor políticas institucionais que precisarão se adequar às leis de suas respectivas jurisdições, explica Bueno:

“Com o crescimento do setor de ativos digitais surgem oportunidades, riscos e desafios. Os depositários devem cumprir com o cenário regulatório em evolução global. Não só precisam entender as leis domésticas, mas também precisam seguir regulamentações internacionais para atender clientes de outros países. Estruturas Anti-lavagem de Dinheiro/Conheça Seu Cliente (AML/KYC) devem ser muito rigorosas. É imprescindível que os guardiões estejam cientes desses desafios e ofereçam soluções para beneficiar seus clientes”.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok