ESG

"Ninguém mexerá no Código Florestal", diz secretário executivo do Meio Ambiente

Segundo o futuro secretário, a redução do desmatamento legal, o permitido em determinadas porcentagens por biomas conforme o Código Florestal, passará por políticas de incentivo à manutenção das áreas

 (Waldemir Barreto/Agência Senado)

(Waldemir Barreto/Agência Senado)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 5 de janeiro de 2023 às 16h07.

Última atualização em 5 de janeiro de 2023 às 16h53.

O futuro secretário executivo do Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima, João Paulo Capobianco, afastou a possibilidade de mudança do Código Florestal para eliminar o desmatamento no País. "Ninguém mexerá no Código Florestal", disse Capobianco a jornalistas, após a cerimônia de posse de Marina Silva, realizada nesta quarta-feira, 4, no Palácio do Planalto, em Brasília.

Segundo o futuro secretário, a redução do desmatamento legal, o permitido em determinadas porcentagens por biomas conforme o Código Florestal, passará por políticas de incentivo à manutenção das áreas. "O desmatamento ilegal será combatido, é fiscalização. A redução do legal é convencimento, é apresentar alternativas e criar políticas que estimule a manutenção. Hoje quem possui área de floresta preservada, por determinação da lei tem possibilitados vários retornos como crédito de carbono e crédito para recomposição florestal", afirmou. Entre as ferramentas alternativas, Capobianco citou a política de pagamento por serviços ambientais (PSA).

Capobianco afirmou que a pasta atuará em conjunto com o Ministério da Agricultura. "Será trabalho aliado tanto para valorizar ativos florestais quanto para transição para agricultura de baixo carbono que é urgente", observou.

LEIA TAMBÉM:

Acompanhe tudo sobre:FlorestasMeio ambienteMinistério do Meio Ambiente

Mais de ESG

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2729; prêmio é de R$ 47 milhões

As despesas médicas que podem ser deduzidas na declaração do Imposto de Renda

Auxílio Reconstrução de R$ 5,1 mil: moradores do RS devem confirmar dados a partir de segunda-feira

Por que Argentina de Milei tem animado o mercado, apesar de inflação recorde e retração

Mais na Exame