Colômbia testa mercado para petróleo neutro em carbono

Dependendo do interesse dos compradores, a estatal Ecopetrol pretende oferecer esses carregamentos regularmente
A estatal Ecopetrol está oferecendo até 1 milhão de barris (Feifei Cui-Paoluzzo/Getty Images)
A estatal Ecopetrol está oferecendo até 1 milhão de barris (Feifei Cui-Paoluzzo/Getty Images)
Por BloombergPublicado em 08/12/2021 13:48 | Última atualização em 08/12/2021 15:19Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Produtora de um petróleo pesado e sulfuroso, a Colômbia tenta vender petróleo neutro em carbono, testando o apetite do mercado pelo produto mais sustentável.

A estatal Ecopetrol está oferecendo até 1 milhão de barris, segundo documentação interna à qual a Bloomberg teve acesso. As emissões futuras desse petróleo serão compensadas por créditos de carbono referentes a projetos de energia renovável na Colômbia.

Tenha um aprendizado 360º e adquira dois certificados sobre ESG, tema cada vez mais em alta.

A Ecopetrol segue os passos da Occidental Petroleum, que vendeu um carregamento do chamado petróleo neutro em carbono dos Estados Unidos para a refinaria indiana Reliance Industries em fevereiro.

Em movimento semelhante em setembro, a japonesa Inpex vendeu gás natural liquefeito compensado por créditos de carbono gerados por projetos como a preservação de florestas na Indonésia.

A colombiana está testando o mercado para o petróleo neutro em carbono e, dependendo do interesse dos compradores, pretende oferecer esses carregamentos regularmente, segundo uma pessoa com conhecimento do plano.

A empresa não retornou imediatamente uma ligação e um e-mail da reportagem solicitando comentários. Os lances precisam ser apresentados até quinta-feira e a carga será embarcada em fevereiro.

Termos como “carbono neutro” e “net zero” implicam compensar as emissões removendo uma quantidade equivalente de carbono da atmosfera.

Cientistas ligados a órgãos climáticos como a iniciativa Science-Based Targets, apoiada pelas Nações Unidas, afirmam que medidas como a prevenção do desmatamento ou o apoio a projetos de energia renovável contribuem pouco para a extração de carbono adicional do ar e não devem embasar argumentos de emissão líquida zero.