Ame lança banco de imagem com LGBTI+ para impulsionar campanhas diversas

A Ame, fintech da Americanas S.A., disponibiliza um banco com 80 imagens para que outras marcas ampliem a presença da comunidade LGBTQI+ e de outros grupos em suas campanhas
 (Ame/Reprodução)
(Ame/Reprodução)
M
Marina Filippe

Publicado em 14/06/2022 às 08:00.

Última atualização em 14/06/2022 às 11:51.

A Ame, fintech da Americanas S.A., disponibiliza um banco com 80 imagens para que outras marcas ampliem a presença da comunidade LGBTQI+ e de outros grupos em suas campanhas. Com objetivo de estimular a representatividade no mercado publicitário, o acervo traz 30 fotografias gratuitas produzidas em parceria com a Lab678, laboratório de experiências e projetos criativos.

Para reforçar a importância da diversidade, a Ame lança ainda o manifesto “Onde esse mundo vai parar?”, inspirado em uma crítica que remete a uma fala LGBTfóbica. As iniciativas da Ame estão em linha com o pilar social da estratégia ESG da Americanas S.A. e com o objetivo de desenvolvimento sustentável (ODS) 10, que prevê a redução das desigualdades.

O acervo (http://www.orgulho-ame.com/) também será utilizado pela Ame nas campanhas ao longo do ano e conta com fotografias que retratam pessoas reais, com corpos, gêneros, sexualidades e vivências diversas, em temáticas diferentes.

A fintech Ame, criada em 2018, encerrou o ano de 2021 com 15% de pessoas LGBTQIAP+ no seu quadro de funcionários – número superior à média de 10% do Brasil, de acordo com a Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT).

“Desde a criação da área de diversidade e inclusão, em 2020, estamos nos empenhando para construção de um ambiente de trabalho mais inclusivo, com mais informação e geração de aliados, e um time diverso e capaz de ajudar a Ame em seu objetivo de mudar a maneira como as pessoas se relacionam com o dinheiro. Com o banco de imagens gratuito, acreditamos que vamos estimular que outras marcas e empresas reforcem suas ações de acolhimento e representatividade em relação à comunidade LGBTQIAP+”, diz Vanessa Goldmacher, gerente de diversidade e inclusão da Ame.

“Onde esse mundo vai parar?”

A cantora Liniker narra o vídeo manifesto, com pessoas que se identificam com a sigla. Segundo a Ame, o filme narra a trajetória de pessoas que romperam barreiras cercadas de amor e parceria para viverem livremente sua sexualidade.

Doações e capacitação

A agenda de diversidade da Ame para este ano inclui o patrocínio ao educaTRANSforma, projeto de capacitação e inserção de pessoas trans no mercado de trabalho. A capacitação é totalmente gratuita, com duração de seis meses via EAD e tem o objetivo de formar pessoas transexuais, travestis, não-bináries e intersexo para ingresso no mercado corporativo, com qualificação em trilhas específicas e habilidades relacionais.

A Ame também incentiva doações pelo super app para potencializar a arrecadação de mais de 150 ONGs parceiras. Neste mês, a fintech convida as pessoas a contribuírem com o projeto educaTRANSforma e com o Coletivo Arouchianos – instituições que apoiam a causa LGBTQIAP+.

Para doar, os usuários devem acessar o ícone “Doações” localizado no menu principal do super app Ame, clicar na opção “LGBTQIAP+” e selecionar a ONG e o valor que deseja doar. As doações podem ser feitas durante todo o ano, inclusive a partir do saldo de cashback.

Nos planos da Ame para a visibilidade e promoção da representatividade, estão também o patrocínio à segunda edição do Prêmio Biscoito, primeira premiação LGBTQIAP+ no Brasil a reconhecer artistas da comunidade. A cerimônia acontecerá no dia 26 de junho, na Casa Natura Musical, em São Paulo.