Vírus aprofunda divisão entre norte rico e sul pobre da UE

O diferente destino das duas metades da união monetária reacende o antigo debate sobre se a Itália pode manter a moeda

O coronavírus ameaça transformar a linha que divide a Europa entre o norte mais rico e o sul mais pobre em um abismo econômico, colocando em risco a moeda da região.

Em Roma, algumas igrejas são agora postos de alimentos, caixas para doações surgem nas praças da cidade e o hotel do século XV onde o filósofo Jean-Paul Sartre se hospedou uma vez está doando colchões que ficam empilhados na entrada. Paolo Stella, um barbeiro de 57 anos, diz que prefere queimar seu salão a reabri-lo nas condições atuais. A hesitação do governo italiano sobre um pacote de estímulo de 55 bilhões de euros (US$ 60 bilhões) agrava os problemas.

A oitocentos quilômetros ao norte, perto da cidade alemã de Stuttgart, o empresário Ernst Prost, de 63 anos, recusou a ajuda do governo, apesar da queda de 25% das vendas de seus óleos de motor de alta qualidade. Em vez de fazer demissões, recorreu às reservas de caixa para pagar um bônus de 1,5 mil euros a quase mil funcionários com a convicção de que isso ajudará a empresa a sair mais forte da crise.

Devastação no Sul: economias dependentes do turismo na Europa preparadas para queda este ano Devastação no Sul: economias dependentes do turismo na Europa preparadas para queda este ano

Devastação no Sul: economias dependentes do turismo na Europa preparadas para queda este ano (Dvulgação/Bloomberg)

O diferente destino das duas metades da união monetária reacende o antigo debate sobre se a Itália pode manter a moeda. O euro deveria elevar os padrões de vida em geral. Mas o sul teme ser deixado para trás.

“É realmente um momento perigoso”, disse Jana Puglierin, responsável pelo escritório de Berlim do Conselho Europeu de Relações Exteriores.

Itália, Espanha e até a França, em certo ponto, ainda se recuperavam da crise da dívida soberana quando o coronavírus chegou, com as contas públicas pressionadas por vários resgates bancários e repetidas recessões, além de sistemas de saúde fragilizados por anos de austeridade. O norte dominado pela Alemanha teve mais sucesso em conter infecções e maior poder de fogo fiscal para combater a crise econômica.

O PIB alemão será menos de 1% menor até o fim do próximo ano, de acordo com previsões da Comissão Europeia de 6 de maio. A economia da Itália terá encolhido 3,6%, empurrando a dívida para 154% do PIB - muito além do nível que a Grécia estava quando desencadeou a última crise financeira da zona do euro.

“A dinâmica da dívida e a dinâmica das finanças públicas já eram ruins”, disse Nick Kounis, chefe de pesquisa de mercado macroeconômica e financeira do ABN Amro. “Agora parecem terríveis.”

(Com a colaboração de Zoe Schneeweiss, Jeannette Neumann, Craig Stirling e Alan Crawford).

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.