Valor dos precatórios quase dobrou nos últimos quatro anos

Principal motivo é o aumento da judicialização; economistas apontam que o governo pode optar por parcelar os precatórios

congresso Congresso: PEC Emergencial, com precatórios e recursos do Fundeb direcionados ao Renda Cidadã, deve ser apresentada nesta quarta

Congresso: PEC Emergencial, com precatórios e recursos do Fundeb direcionados ao Renda Cidadã, deve ser apresentada nesta quarta (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

A equipe de advogados e economistas do senador Marcio Bittar (MDB-AC), relator da PEC Emergencial, de emenda à Constituição, segue trabalhando a todo o vapor para finalizar o texto até esta quarta, dia 30. A intenção é incluir os precatórios como uma das fontes de financiamento do programa Renda Cidadã, assim como recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

De acordo com fontes de mercado, é possível que o governo apresente uma proposta de parcelamento dos precatórios. Hoje, a União precisa pagar a dívida à vista, mas os estados e munícipios podem parcelar o pagamento dos precatórios.

Segundo dados do Ministério da Economia e do Tesouro Nacional, em 2019 o governo federal precisou desembolsar 41,4 bilhões de reais para arcar com os precatórios. Neste ano, o governo deverá fazer frente a 54,2 bilhões de reais em precatórios.

Os números não param de subir. Em 2016, foram necessários 30,7 bilhões de reais para fazer frente a esse tipo de indenização concedida pela Justiça. Em 2018, foram 36,8 bilhões de reais, sendo que 18,3 bilhões de reais foram direcionados a ressarcimentos relativos a aposentadorias.

“Normalmente, há brechas nas leis, seja de regras da aposentadoria ou o pagamento de benefícios sociais, para citar dois exemplos, que acabam conduzindo a uma judicialização do sistema”, diz Gabriel de Barros, economista do BTG Pactual e ex-diretor da Instituição Fiscal Independente (IFI). “A judicialização vem aumentando, por isso o governo precisa gastar mais com precatórios”.

 (Arte/Exame)

Caso seja adotado o adiamento do pagamento à vista ou parcelamento dos precatórios, deverão incidir juros e correção monetária sobre a dívida. Na avaliação dos economistas, com a proposta de limitar os recursos destinados ao pagamento de precatórios a 2% das receitas líquidas correntes, provavelmente mais da metade dessa despesa obrigatória teria seu pagamento postergado.

“Seria apenas um adiamento desse pagamento obrigatório, o que traz insegurança jurídica e emite sinais de fragilidade constitucional”, diz a economista Elena Landau. “Também acarreta uma maior probabilidade de aumento da dívida”.

As diretrizes da PEC Emergencial, com a provável inclusão do programa Renda Cidadã e suas fontes de financiamento, devem ser anunciadas nesta quarta-feira, dia 30.

 

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.