Economia

Solar, eólica ou biogás? As renováveis que mais empregam

Sozinha, a indústria de paineis fotovoltaicos respondeu por quase 35% de todos os 6,5 milhões de postos de trabalhos globais ligados a renováveis em 2013


	Instalação de paineis solares: setor emprega mais de 2,27 milhões de pessoas no mundo
 (Getty Images)

Instalação de paineis solares: setor emprega mais de 2,27 milhões de pessoas no mundo (Getty Images)

Vanessa Barbosa

Vanessa Barbosa

Publicado em 12 de maio de 2014 às 16h53.

São Paulo – Em 2013, aproximadamente 6,5 milhões de pessoas estavam empregadas na indústria de energia renovável em todo o mundo, segundo um novo estudo da Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA).

Quase 1 milhão de novos postos de trabalho em energia renovável foram criados no ano passado, aponta o relatório, que destaca o papel importante do setor na criação de emprego e crescimento da economia global.

De acordo com o estudo, a área que mais emprega na indústria renovável em todo o mundo é a de energia solar, com cerca de 2, 27 milhões de pessoas.

Na China, maior empregador em renovável, com 2,6 milhões de empregos, a instalação de paineis fotovoltaicos cresceu cinco vezes entre 2011 e 2013.

A indústria solar é seguida pela indústria de biocombustíveis líquidos, com 1,4 milhão de pessoas empregadas e pela indústria eólica, com mais de 800 mil funcionários.

"Com 6,5 milhões de pessoas empregadas, direta ou indiretamente, em energia renovável, a indústria prova que não é mais um nicho, tornou-se um empregador significativo em todo o mundo", disse o diretor-geral da Irena Adnan Amin Z, durante lançamento do estudo, nesta segunda-feira.

http://cf.datawrapper.de/9ipZT/1/
..

Acompanhe tudo sobre:BiocombustíveisCombustíveisEmpregosEmpregos verdesEnergia renovávelMeio ambiente

Mais de Economia

Com alíquota de 26,5%, Brasil deve ter um dos maiores IVAs do mundo; veja ranking

Haddad declara ser favorável à autonomia financeira do Banco Central

Dívida dos estados: projeto apresentado por Pacheco precisa passar por revisão, diz Haddad

Plano Real, 30 anos: Luiz Carlos Trabuco Cappi e a moeda como um símbolo nacional

Mais na Exame