Economia

Setor de serviços cresce 0,5% em agosto e tem 5ª alta seguida

Setor atinge maior nível em quase 6 anos, mas ainda está 7,1% abaixo do recorde histórico, alcançado em novembro de 2014

Restaurante no Rio de Janeiro (Pilar Olivares/Reuters)

Restaurante no Rio de Janeiro (Pilar Olivares/Reuters)

Drc

Da redação, com agências

Publicado em 14 de outubro de 2021 às 09h29.

Última atualização em 14 de outubro de 2021 às 11h16.

O volume do setor de serviços do Brasil cresceu 0,5 por cento em relação a julho e teve alta de 16,7 por cento na comparação com o mesmo mês do ano anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira. Trata-se da quinta alta mensal seguida.

O setor está 4,6% acima do patamar pré-pandemia, alcançando o nível mais elevado desde novembro de 2015.

O resultado de agosto ficou dentro das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que previam desde estabilidade (0,0%) a uma alta de 1,7%, com mediana positiva de 0,4%.

Na comparação com agosto do ano anterior, houve elevação de 16,7% em agosto de 2021, já descontado o efeito da inflação. Nessa comparação, as previsões eram de uma elevação de 12,2% a 18,8%, com mediana positiva de 16,2%. A taxa acumulada no ano de 2021 foi de elevação de 11,5%. Em 12 meses, os serviços acumulam alta de 5,1%.

A receita bruta nominal do setor de serviços subiu 1,0% em agosto ante julho. Na comparação com agosto de 2020, houve avanço de 20,7% na receita nominal, segundo o IBGE.

Acompanhe tudo sobre:economia-brasileiraIBGEServiços

Mais de Economia

Governo sobe previsão de déficit de 2024 para R$ 28,8 bi, com gastos de INSS e BPC acima do previsto

Lula afirma ter interesse em conversar com China sobre projeto Novas Rotas da Seda

Lula diz que ainda vai decidir nome de sucessor de Campos Neto para o BC

Banco Central aprimora regras de segurança do Pix; veja o que muda

Mais na Exame