Secretários do Tesouro e Orçamento de Guedes pedem demissão

Segundo a pasta, a decisão de ambos foi "de ordem pessoal", mas debandada acontece logo após anúncio de auxílio de 400 reais
 (Edu Andrade/Ascom/ME/Divulgação)
(Edu Andrade/Ascom/ME/Divulgação)
A
Alessandra Azevedo, de Brasília

Publicado em 21/10/2021 às 18:20.

Última atualização em 21/10/2021 às 19:13.

Os secretários de Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, e do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, pediram demissão dos cargos nesta quinta-feira, 21. A debandada no Ministério da Economia acontece depois de o presidente Jair Bolsonaro ter anunciado um Auxílio Brasil de 400 reais, que pode ser bancado por meio de mudança no teto de gastos. 

Funchal e Bittencourt alegaram que a decisão é de “ordem pessoal”. Os dois “agradecem ao ministro pela oportunidade de terem contribuído para avanços institucionais importantes e para o processo de consolidação fiscal do país”, diz nota do ministério.

Também pediram exoneração nesta quinta a secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas, e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araujo, por “razões pessoais”. O ministro da Economia, Paulo Guedes, não se pronunciou sobre as saídas.

O ministério ainda não anunciou os substitutos. Segundo a pasta, os pedidos foram feitos de modo a permitir que haja um processo de transição e de continuidade de todos os compromissos, tanto da Seto quanto da STN. Nesta quinta, o secretário de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, José Mauro Coelho, também pediu demissão.

O governo busca um espaço fiscal de 40 bilhões de reais, fora do teto, para arcar com um benefício transitório e garantir um auxílio de 400 reais mensais até dezembro de 2022, ano em que Bolsonaro pretende concorrer à reeleição.

A equipe econômica esperava um aumento menor no programa, de 300 reais, que seria garantido em 2022 pela PEC dos precatórios e mantido com a taxação sobre lucros e dividendos prevista na reforma do Imposto de Renda.

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), disse, no Twitter, que "a equipe econômica que vem bem conduzindo esta crise provocada pela pandemia terá substituições por técnicos igualmente qualificados que continuarão prestando bons serviços". Segundo ele, "Guedes firme e forte como sempre na condição da economia".

Veja a íntegra do comunicado feito pelo Ministério da Economia à imprensa:

Nota à imprensa

O secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, e o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, pediram exoneração de seus cargos ao ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta quinta-feira (21/10).

A decisão de ambos é de ordem pessoal. Funchal e Bittencourt agradecem ao ministro pela oportunidade de terem contribuído para avanços institucionais importantes e para o processo de consolidação fiscal do país.

A secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas, e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araujo, também pediram exoneração de seus cargos, por razões pessoais.

Os pedidos foram feitos de modo a permitir que haja um processo de transição e de continuidade de todos os compromissos, tanto da Seto quanto da STN.

 

  • Juros, dólar, inflação, BC, Selic. Entenda todos os termos da economia e como eles afetam o seu bolso. Assine a EXAME