Receita com embarques de soja cairá 20% em 2015, diz Abiove

Receita com as exportações deverão recuar por conta de um recuo nos preços internacionais

São Paulo - A receita com as exportações do complexo soja do Brasil deverá cair 20,2 por cento no ano que vem na comparação com 2014, para 23,676 bilhões de dólares, devido a um recuo nos preços internacionais dos produtos, previu nesta quinta-feira a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), entidade que reúne as principais empresas do setor.

A renda somada dos embarques de soja em grão, farelo e óleo deverá cair pelo segundo ano seguido, após um recorde de quase 31 bilhões de dólares em 2013. Em 2014, a receita com as exportações do setor está projetada em 29,66 bilhões de dólares.

Uma queda de quase 6 bilhões de dólares nas exportações tem potencial para afetar a balança comercial brasileira, que fechou, por exemplo, o ano de 2013 com superávit de apenas 2,56 bilhões de dólares.

Somados, os embarques do complexo soja deverão compor o "principal produto" da pauta de exportações do Brasil este ano, superando até mesmo o minério de ferro, cujos preços estão em mínimas de cinco anos.

A queda nas exportações de soja e seus produtos deverá ocorrer apesar da expectativa de volumes recordes embarcados de soja em grão e farelo de soja, que deverão somar 48 milhões e 14,5 milhões de toneladas, respectivamente.

Isso porque os preços deverão despencar em meio a uma safra recorde de mais de 100 milhões de toneladas nos Estados Unidos, onde a colheita está começando, e também pelas perspectivas de uma nova produção histórica no Brasil em 2015, de 91 milhões de toneladas, segundo a Abiove.

Os preços médios da soja exportada, por exemplo, vão cair 26 por cento ante 2014, para 370 dólares por tonelada em 2015. Já a cotação média do farelo exportado deverá recuar 26,7 por cento, para 330 dólares por tonelada, na mesma comparação. O valor do óleo exportado cairá 17,2 por cento ante 2014, para 720 dólares por tonelada.

Segundo a Abiove, os valores de venda estimados para 2015 preveem um bushel de soja em torno de 10 dólares, mais prêmios. O primeiro contrato na bolsa de Chicago está em torno de 9,22 dólares por bushel, não muito diferente dos vencimentos mais distante.

Para o secretário-geral da Abiove, Fábio Trigueirinho, a grande oferta global esperada deverá acirrar a concorrência entre os principais exportadores. "Vai ser um ano de acirrada competição entre Brasil, Argentina e EUA", afirmou ele à Reuters.

Trigueirinho observou que a indústria pode trabalhar com preços altos ou baixos, e que a cotação mais baixa acaba sendo mais prejudicial às margens de rentabilidade do agricultor.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.