Queda em remessas globais eleva riscos para países mais dependentes

As reservas globais devem cair em US$ 110 bilhões neste ano, informou a Moody's

O estresse econômico é uma fonte crucial para enfraquecer as remessas globais neste ano, prejudicando receitas, crescimento e posições externas de algumas nações, segundo a Moody's. Os chamados mercados financeiros de fronteira e alguns países da América Latina e do Caribe são os mais vulneráveis a isso, aponta um novo relatório da agência, que projeta queda nas remessas globais de trabalhadores imigrantes no mundo em 2020, "elevando o risco de crédito em países mais dependentes desse fluxo de entrada".

Vice-presidente sênior da Moody's, Christian de Guzman diz que os países mais dependentes das remessas são economias de renda média e baixa e a queda nas remessas deve "exacerbar a desaceleração no crescimento" deles.

Guzman também destaca o enfraquecimento dos perfis de crédito e a maior vulnerabilidade externa, diante disso.

Entre os países mais vulneráveis, a agência cita o Quirguistão, o Tajiquistão, as Bermudas e El Salvador.

A agência diz que as remessas globais atingiram recorde de US$ 554 bilhões em 2019, mas devem cair em US$ 110 bilhões neste ano recuo bem superior ao de US$ 16,2 bilhões ocorrido em 2009 diante da crise financeira global.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.