A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Preços mundiais de alimentos se aproximam de recorde de 2011

O indicador, que mede a variação mensal dos preços internacionais da cesta básica, continua se aproximando de seu nível máximo, em fevereiro de 2011

Os preços mundiais dos alimentos voltaram a subir em setembro, "devido à restrição da oferta e à forte demanda" por alimentos básicos, como trigo e óleo de palma - anunciou a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Agricultura (FAO), nesta quinta-feira (7).

O Índice de Preços dos Alimentos da FAO aumentou 1,2% em relação a agosto, chegando a 130 pontos, e 32,8%, em um ano.

Dê o próximo passo na carreira com os MBAs da EXAME Academy. Acesse já

O indicador, que mede a variação mensal dos preços internacionais da cesta básica, continua se aproximando de seu nível máximo (137,6 pontos), registrado em fevereiro de 2011.

Em setembro, o preço global dos cereais aumentou 2% em comparação com o mês anterior. O preço mundial do trigo, por exemplo, subiu 4% em um mês, e 41%, em um ano.

O preço do arroz também aumentou. No caso do milho, o aumento foi moderado, de 0,3% em um mês (+38% em um ano).

"A melhora das perspectivas das safras mundiais e o início das colheitas americana e ucraniana compensaram, amplamente, o impacto das perturbações portuárias relacionadas aos furacões nos Estados Unidos", explicou a FAO.

"Entre os cereais, o trigo estará no centro das atenções nas próximas semanas, já que a demanda deve ser posta à prova ante o rápido aumento dos preços", afirma o economista-chefe da FAO, Abdolreza Abbassian, citado no comunicado.

A FAO prevê uma produção de cereais sem precedentes em 2021, mas sempre inferior às necessidades de consumo.

Em relação aos óleos vegetais, o preço mundial aumentou 1,7% em um mês (+60% em um ano). O óleo de palma alcançou "um teto em dez anos, devido à forte demanda mundial e à escassez de mão de obra migrante que afeta a produção na Malásia", completou a organização.

Alta dos preços no Brasil

O Brasil, que é um dos principais exportadores de alimentos do mundo, também tem sofrido com alta dos preços.

O IPCA atingiu o acumulado de 9,68% nos 12 meses até agosto, segundo o IBGE. O IPCA acumulado de alimentos e bebidas é ainda superior ao índice geral, com alta de quase 14% em 12 meses. Já a subcategoria de alimentação no domicílio subiu quase 17%. Em São Paulo, o preço da cesta básica para quatro pessoas já quase empata com o salário mínimo.

Um dos desafios brasileiros é a falta de oferta interna. Com o dólar alto frente ao real desde o ano passado e a demanda no exterior, o Brasil vive recorde de exportação de alimentos e animais consumidos diretamente e commodities (como milho, que é usado na criação de animais).

(Com AFP)

Tenha acesso ilimitado às principais análises sobre o Brasil e o mundo. Assine a EXAME.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também