A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Por que Bolsonaro decidiu adiar reforma administrativa — já pronta

Técnicos sabem que será um desafio aprovar medidas como o fim da estabilidade para algumas áreas

Embora a reforma administrativa já esteja pronta na Casa Civil para ser enviada ao Congresso, o presidente Jair Bolsonaro decidiu reavaliar o melhor momento para divulgar o texto, segundo dois integrantes da equipe econômica. Isso significa que o texto -- prometido para 2019 -- ficará para 2020.

A decisão foi motivada principalmente pelo fato de o governo ter antecipado a proposta de permitir que União, estados e municípios possam cortar jornada e salários de servidores públicos em caso de crise fiscal, disseram as fontes, que pediram para não ser identificadas porque as discussões não são públicas.

A medida foi incluída em duas propostas de emenda constitucional já entregues ao Legislativo e gerou reações do funcionalismo público, afirmaram as fontes.

Além disso, a saída de Bolsonaro do PSL -- o que desorganiza mais a base no Congresso -- , a turbulência em outros países da América Latina por causa de problemas sociais e o excesso de medidas econômicas já nas mãos de deputados e senadores para análise deixaram o presidente mais cauteloso.

“Acredito que este ano o governo não apresenta reforma administrativa porque com 3 semanas, votação da PEC que trata de prisão para condenados em 2ª instância, orçamento, vetos importantes, créditos importantes para discutir, a Casa está em alta produção. Não sei se seria produtivo nesse momento”, disse o líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO).

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse na sexta-feira, ao Estado, que Bolsonaro deixará para enviar a reforma administrativa ao Congresso no início do ano que vem.

Guedes e sua equipe já fizeram um périplo junto a órgãos que representam a elite do funcionalismo e que poderiam ser refratários à reforma administrativa. Mesmo assim, os técnicos sabem que será um desafio aprovar medidas como o fim da estabilidade para algumas áreas, o aumento do número de anos para que os servidores atinjam o topo da carreira e a redução do salário inicial.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também