Pedidos de auxílio-desemprego nos EUA têm queda inesperada

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego totalizaram 787 mil em dado ajustado sazonalmente na semana encerrada em 2 de janeiro

O número de norte-americanos que entraram com pedidos de auxílio-desemprego pela primeira vez caiu inesperadamente na semana passada, embora tenha continuado extremamente alto, com a recuperação do mercado de trabalho parecendo estagnar à medida que a persistente pandemia de covid-19 ameaça dominar o país.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego totalizaram 787 mil em dado ajustado sazonalmente na semana encerrada em 2 de janeiro, em comparação com 790 mil na semana anterior, disse o Departamento do Trabalho dos EUA nesta quinta-feira. Economistas consultados pela Reuters previam 800 mil solicitações na última semana.

Os pedidos elevados estão em linha com outros dados que sugerem que a economia está sofrendo com as restrições empresariais e a redução nos gastos do consumidor por causa da pandemia. A ata da reunião do Federal Reserve de 15 e 16 de dezembro, publicada na quarta-feira, mostrou que as autoridades esperam que os casos de coronavírus crescentes "sejam particularmente desafiadores para o mercado de trabalho nos próximos meses".

Os casos de Covid-19 nos Estados Unidos saltaram para mais de 21 milhões, com o número de mortos ultrapassando 352 mil desde que o vírus apareceu pela primeira vez na China no final de 2019, de acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

Um relatório divulgado na quarta-feira mostrou que as empresas privadas perderam trabalhadores em dezembro pela primeira vez em oito meses. Dados da Homebase, uma empresa de agendamento e rastreamento das folhas de pagamento, mostraram uma queda acentuada no número de funcionários trabalhando em dezembro em comparação com novembro. Os relatórios aumentaram o risco de que a economia perca empregos em dezembro, embora uma pesquisa desta semana tenha mostrado o emprego nas indústrias se recuperando no mês passado.

O governo divulgará seu relatório de emprego para dezembro na sexta-feira. De acordo com uma pesquisa da Reuters com economistas, a criação de vagas fora do setor agrícola provavelmente chegará a 71 mil, após um aumento de 245 mil em novembro.

Esse seria o menor ganho desde que a recuperação dos empregos começou em maio e significaria que a economia recuperou cerca de 12,5 milhões dos 22,2 milhões de postos de trabalho perdidos em março e abril.

Os pedidos de auxílio-desemprego estão acima do pico de 665 mil atingido durante a Grande Recessão de 2007 a 2009, embora tenham caído em relação a uma máxima recorde de 6,867 milhões alcançada em março.

O governo aprovou no final de dezembro quase 900 bilhões de dólares em estímulos fiscais adicionais, incluindo a renovação de um suplemento de auxílio-desemprego de 300 dólares até 14 de março.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.