OCDE: Guerra de Trump pode ameaçar crescimento econômico de 2018

A economia mundial caminha para ter o maior crescimento dos últimos 8 anos, mas as imposições comerciais do presidente dos EUA podem prejudicar

Paris - A economia global registrará o crescimento mais forte em sete anos em 2018 graças à recuperação do comércio e do investimento, disse a OCDE nesta terça-feira, alertando ao mesmo tempo que uma guerra comercial pode ameaçar esse cenário melhor.

Ao atualizar seu cenário para as economias do G20, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico elevou a projeção para o crescimento global tanto para 2018 quanto 2019 para 3,9 por cento --nível mais alto desde 2011-- ante estimativas anteriores de 3,6 por cento para ambos os anos.

A melhora das projeções deve-se em parte às expectativas de que os cortes tributários nos Estados Unidos vão impulsionar a maior economia do mundo, disse a OCDE.

"Achamos que a economia mais forte está aqui para ficar nos próximos dois anos", disse à Reuters o economista-chefe interino da OCDE, Álvaro Pereira. "Estamos voltando a circunstâncias mais normais do que vimos nos últimos 10 anos."

A recuperação do investimento empresarial global vai manter o crescimento do comércio em cerca de 5 por cento este ano, projetou a OCDE.

Entretanto, a organização afirmou que a economia global está vulnerável a uma escalada de tensões comerciais após a administração do presidente dos EUA, Donald Trump, ter adotado tarifas de importação sobre o aço e o alumínio.

"Isso pode obviamente ameaçar a recuperação. Com certeza acreditamos que esse é um risco significativo, portanto esperamos que isso não se materialize porque seria bastante prejudicial", disse Pereira.

A OCDE projeta que a economia dos EUA crescerá 2,9 por cento este ano e 2,8 por cento em 2019, com os cortes tributários acrescentando 0,5 a 0,75 ponto percentual ao cenário em ambos os anos.

Diante desse cenário, o Federal Reserve provavelmente terá que elevar a taxa de juros quatro vezes este ano com a aceleração da inflação, completou Pereira. Antes a OCDE previa três altas dos juros pelo banco central dos EUA.

Entre outras economias, o crescimento mais forte na França e na Alemanha melhorou o cenário para a zona do euro, cuja expectativa de crescimento passou a 2,3 por cento este ano e 2,1 por cento em 2019. Anteriormente a OCDE via expansão de 2,1 por cento e 1,9 por cento respectivamente.

Para o Brasil, as expectativas também melhoraram, com projeção agora de uma expansão de 2,2 por cento este ano, contra 1,9 por cento antes. Para 2019 a melhora foi de 0,1 ponto percentual, a 2,4 por cento.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.