OCDE: BCE deve atuar para afastar uma explosão da Eurozona

A organização pediu ao banco que intervenha para reduzir o custo do financiamento dos Estados mais endividados do bloco

Paris - A OCDE pediu ao Banco Central Europeu (BCE), que nesta quinta-feira se reúne em Frankfurt, a intervir nos mercados para reduzir o custo do financiamento dos Estados mais endividados da Eurozona, como a Espanha e a Itália, e afastar o fantasma de uma explosão do bloco monetário.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) reduziu, além disso, as previsões de crescimento para 2012 nos países mais industrializados do planeta (G7), com exceção de Japão, e estimou que "a crise na Zona Euro continua representando o principal risco para a economia mundial".

A OCDE considera crucial afastar os temores de uma explosão da União Monetária, formada por 17 países, e recomenda para isso que o BCE "intervenha nos mercados da dívida, a fim de manter o diferencial (das taxas) entre os países (do bloco) em níveis justificados pelos fundamentos de suas economias".

A Itália e a Espanha, terceira e quarta economias da Eurozona, se veem obrigadas a se financiar a preços exorbitantes, apesar das reformas drásticas e dos programas de austeridade draconiana que adotaram por causa do receio dos mercados.

O presidente do BCE, Mario Draghi, disse estar decidido a se empenhar para salvar o euro, incluindo intervenções diretas da instituição no mercado de obrigações da dívida soberana, e deverá revelar detalhes e condições dessas intervenções em uma coletiva de imprensa nesta quinta-feira.

A OCDE insiste junto ao BCE que rebaixe sua taxa básica ou que, ao menos, a use para fazer empréstimos aos bancos, e pede aos países da Eurozona que acelerem os projetos de união bancária mediante garantias conjuntas de depósitos e a adoção de mecanismos comuns de solução da crise.

O OCDE adverte que o agravamento da crise da Eurozona fragilizou as perspectivas de reativação em 2012 em seis dos sete países do G7 (Estados Unidos, Alemanha, França, Grã-Bretanha, Itália e Canadá). A exceção é o Japão, em processo de recuperação após o tsunami e o acidente nuclear que, em 2011, devastaram o nordeste do país.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.