Economia

Obama quer resposta direta de seguradoras de saúde

Washington - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, atacou os maiores planos de saúde do país neste sábado por não lhe darem uma "resposta direta" sobre os motivos de estarem "arbitrária e massivamente" elevando seus preços. <p>A nova crítica de Obama aos seguros de saúde surge num momento em que ele tenta obter apoio […]

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 6 de março de 2010 às 18h54.

Washington - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, atacou os maiores planos de saúde do país neste sábado por não lhe darem uma "resposta direta" sobre os motivos de estarem "arbitrária e massivamente" elevando seus preços.

   <p>A nova crítica de Obama aos seguros de saúde surge num momento em  que ele tenta obter apoio entre a população e os congressistas de seu  próprio partido, o Democrata, para um esforço final de aprovação de uma  lei de reforma do problemático setor de saúde dos EUA, que movimenta 2,5  trilhões de dólares.</p>       <p>O presidente e sua secretária da Saúde, Kathleen Sebelius, se  reuniram na Casa Branca esta semana com os principais executivos de  quatro das maiores seguradoras de saúde dos EUA: Aetna Inc, Cigna Corp,  UnitedHealth Group Inc e WellPoint Inc.</p>       <p>"Eles não puderam dar-me uma resposta direta sobre os motivos de  continuarem arbitrária e massivamente a elevar os preços dos prêmios de  seguro, em até 60 por cento em Estados como Illinois," disse Obama, em  seu pronunciamento semanal no rádio e Internet. "Se nós não agirmos, continuarão a fazer isso."</p>              <p>As seguradoras dizem que precisam elevar os preços para cobrir o  rápido aumento de custos num momento em que mais pessoas estão deixando  de pagar planos de saúde por causa de dificuldades financeiras. Por  isso, os custos mais altos são distribuídos entre um número menor de  pessoas que pagam planos de saúde, dizem as empresas.</p>       <p> </p>       
Acompanhe tudo sobre:Barack ObamaEstados Unidos (EUA)Países ricosPersonalidadesPlanos de saúdePolíticos

Mais de Economia

STF prorroga até setembro prazo de suspensão da desoneração da folha

FGTS tem lucro de R$ 23,4 bi em 2023, maior valor da história

Haddad diz que ainda não apresentou proposta de bloqueio de gastos a Lula

FMI confirma sua previsão de crescimento mundial para 2024 a 3,2%

Mais na Exame