O que um ano de Temer fez com as expectativas econômicas

Veja em gráficos como as previsões para PIB, inflação, dólar e juros evoluíram ao longo de um ano de mudanças radicais na gestão econômica

São Paulo - A surpresa negativa: o ritmo de recuperação econômica. A surpresa positiva: a queda acentuada da inflação.

É esse o diagnóstico da curva de expectativas econômicas após um ano de Michel Temer na Presidência.

A conclusão é da análise de um ano de Boletim Focus, divulgado semanalmente pelo Banco Central com a mediana das previsões de mais de 100 economistas e instituições.

Os gráficos feitos por EXAME.com trazem a evolução das previsões ao longo de 10 momentos do período.

Quando 2016 acaba, as projeções para aquele ano se encerram e passam então a contemplar 2018.

Pesam fatores não só do cenário doméstico mas também de choques internacionais como a decisão do Reino Unido de sair da União Europeia (23 de junho) e a vitória de Donald Trump nos Estados Unidos (8 de novembro).

Veja o que pensam 4 economistas e os 4 infográficos de expectativas: PIB, inflação, juros e dólar.

Um ano de Temer: expectativas para o PIB

Em um primeiro momento após o impeachment, a reação do mercado foi esperar uma recessão mais branda em 2016 com recuperação mais rápida em 2017.

Entre meados de maio e o início de julho, houve melhora de meio ponto percentual nas previsões para 2016 e 2017 na medida em que ficava clara a orientação reformista do novo governo.

Mas as previsões voltaram a cair nos últimos meses do ano, após choques internacionais, lentidão na agenda, divulgação de dados fracos e turbulências políticas.

O PIB acabou fechando 2016 com queda de 3,6% e a previsão para 2017 está relativamente estável em cerca de 0,5% desde que o ano começou.

Um ano de Temer: expectativas para inflação

O IPCA em 2015 chegou a 10,67%, o mais alto desde 2002. Parte disso era o reajuste de preços administrados, com hora para acabar, mas ainda assim o mercado começou 2016 esperando taxa acima do teto da meta.

Mas com mais credibilidade na gestão fiscal e monetária somada com agravamento do desemprego e da queda da renda, as expectativas caíram e a taxa acabou fechando o ano na ponta do teto de 6,5%.

Quando 2017 começou, o mercado esperava um ano de inflação quase na meta. Mas com os números baixos que vêm sido divulgados, a expectativa agora é de 4,01% neste ano e 4,39% no ano que vem.

Um ano de Temer: expectativas para juros

Logo após a entrada de Temer e o anúncio de Ilan Goldfajn como presidente do Banco Central, aumentou a aposta de uma política monetária mais restritiva (juros mais altos) no curto prazo.

Com a aprovação do teto de gastos atrelado à inflação e um ritmo lento de corte de juros, as expectativas futuras de preços foram sendo lentamente ancoradas em um patamar mais baixo.

Agora, a curva futura de juros está em trajetória descendente e há quem fale na "oportunidade de ouro" de uma Selic estruturalmente mais baixa no longo prazo.

Um ano de Temer: expectativas para o dólar

Prever o câmbio é uma das tarefas mais difíceis para os economistas, mas algumas tendências são claras.

As perspectivas de juros mais altos e de queda do risco-país derrubaram a expectativa do real nos primeiros meses, que sofrem um susto com a eleição de Trump em novembro.

Depois, voltam a cair na medida que esse efeito é diluído e o governo acelera a aprovação de reformas. Nesta última quinta-feira (11), o dólar fechou em R$ 3,14.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.