Não estamos contando com incentivo do governo, diz Fenabrave

Segundo o presidente da Fenabrave, a entidade trabalha com o aumento do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) a partir do dia 1º de julho

São Paulo - O presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Flávio Meneguetti, afirmou nesta terça-feira, 03, que a entidade não espera mais nenhum tipo de incentivo de governo.

"O governo já sinalizou que não tem como manter incentivos, porque precisa fechar as suas contas. Não acredito que o governo tenha condições de colocar à disposição mais algum tipo de incentivo", disse.

"O governo não tem condições de abrir a caixa de ferramenta e tirar uma solução mágica", reforçou.

Segundo Meneguetti, a entidade trabalha com o aumento do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) a partir do dia 1º de julho.

Ele afirmou que em suas últimas reuniões com o governo as explicações para a não prorrogação dos incentivos foram feitas de forma "bem enfática".

O executivo disse que o período de "vacas magras" do setor deve continuar pelo menos até 2016 e que a expectativa é que o mercado retome o dinamismo "por si só".

Meneguetti afirmou ainda que a entidade trabalha junto ao governo para tentar criar instrumentos que ampliem as garantias aos bancos na concessão de crédito.

"Os bancos perderam o apetite para assumir riscos. Temos uma legislação ultrapassada, que precisa ser revista para garantir ao banco que retome o bem em caso de inadimplência", afirmou. Apesar de reconhecer que uma mudança na legislação é algo demorado, Meneguetti afirmou que "quanto mais demorarmos para alterá-la, mais tempo ficaremos nesse marasmo".

O executivo comentou ainda que a entidade abandonou sua projeção de cenário positivo para 2014 e que agora só trabalha com a projeção de queda de 3,60% nas vendas totais.

Para Meneguetti, as amplas promoções realizadas pelas montadoras não devem alterar essa rota.

"Promoção tem limite e já passamos do limite do possível. As margens que estamos operando estão muito apertadas e as das montadoras também" afirmou.

Argentina

Ao ser questionado sobre o impacto de uma prorrogação do pacto automotivo entre Brasil e Argentina, com o restabelecimento do mecanismo 'flex', Meneguetti disse que, como a entidade trabalha basicamente com o consumidor interno, não "está tão atento" às negociações.

"Claro que afeta de alguma forma, à medida que, se não há exportação, o mercado interno acaba tendo uma oferta maior", afirmou

. "Mas, pelo que sei até agora, os argentinos se mostram bastante difíceis a fecharem o acordo."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.