Medida de estímulo sustenta criação de emprego, diz ministra

Miriam Belchior rebateu alegações de que desemprego tenha aumentado no início do ano e defendeu medidas de estímulo à economia da presidente Dilma Rousseff

Brasília - As desonerações, os programas de qualificação dos trabalhadores e a ampliação do Simples Nacional – regime simplificado de tributação para as micro e pequenas empresas – têm permitido sustentar a criação de empregos, apesar do baixo crescimento econômico, disse hoje (3) a ministra do Planejamento, Miriam Belchior.

Em entrevista exclusiva à Agência Brasil, ela rebateu as alegações de que o desemprego tenha aumentado no início do ano e defendeu as medidas de estímulo à economia da presidente Dilma Rousseff.

A ministra disse ainda que a taxa de desemprego de 7,1% no primeiro trimestre apontada pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada hoje (3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), não pode ser comparada com a do último trimestre de 2012.

Segundo a ministra, a comparação, feita da forma correta, mostra queda do desemprego.

“Quando o verão está muito quente, comparamos com outro verão, não com o inverno. O primeiro trimestre de 2014 só pode ser comparado com o primeiro trimestre do ano passado, porque o mercado de trabalho tem suas sazonalidades”, justificou.

Por esse critério, o desemprego caiu em relação à taxa de 8% registrada nos três primeiros meses de 2013.

Em relação ao último trimestre do ano passado, o desemprego subiu de 6,2% para 7,1%. No entanto, segundo Miriam Belchior, esse tipo de comparação não pode ser feito.

“No fim do ano, o desemprego sempre cai por causa das contratações de Natal. A pesquisa do IBGE só revela os números brutos, sem desconsiderar esses ciclos sazonais”, alegou.

No acumulado em 12 meses, a taxa de desemprego da Pnad Contínua também caiu, de 7,1% nos para 6,9%.

“Esse também é um método correto de comparar porque a sazonalidade está incluída nas duas comparações”, acrescentou a ministra.

A sazonalidade representa as oscilações típicas de determinadas épocas do ano em todos os mercados.

De acordo com Miriam Belchior, a Pnad Contínua confirma a queda do desemprego constatada em outros levantamentos, como a Pesquisa Mensal de Emprego, do IBGE, e a pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

“Todas as pesquisas apontam na direção de um mercado de trabalho cada vez mais robusto e aquecido”, ressaltou.

Apesar do crescimento de 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) de janeiro a março, comparado com o primeiro trimestre do ano passado, a ministra ressaltou que a economia brasileira continua gerando emprego com velocidade.

“Muitos economistas estão estudando esse fenômeno, mas o fato é que o governo tem desenvolvido um conjunto de ações que tem permitido sustentar a criação de emprego no cenário econômico atual”, destacou.

Segundo a ministra, a greve dos servidores do IBGE não afetou a divulgação da Pnad Contínua. “Eu, assim como todo mundo, só fui informada dos números hoje, mas a pesquisa estava fechada há algum tempo, antes de a greve ser deflagrada”, explicou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.