Juros futuros fecham em alta após rebaixamento da S&P

As taxas subiram acompanhando a alta do dólar e as incertezas quanto à questão fiscal, a crise política e a política monetária para os próximos meses

São Paulo - A retirada do grau de investimento do Brasil promovida pela agência de classificação de risco Standard & Poor's na quarta-feira, 9, teve forte impacto no mercado de juros nesta quinta-feira, 10.

As taxas subiram significativamente, acompanhando a alta do dólar e as incertezas quanto à questão fiscal, a crise política e a política monetária para os próximos meses.

A S&P rebaixou ontem o rating soberano do Brasil de BBB- para BB+, mantendo a perspectiva negativa da nota, tirando do País o selo de bom pagador e colocando-o na categoria de grau especulativo.

Para a decisão, pesaram principalmente as dificuldades do governo na condução do ajuste fiscal, que ficaram mais explícitas após o anúncio da previsão de déficit de R$ 30,5 bilhões no Orçamento de 2016.

Em 2008, a S&P foi a primeira das três principais agências de classificação de risco a elevar o Brasil à categoria grau de investimento.

Atualmente, as duas outras agências, Moody's e Fitch, ainda mantêm o Brasil como grau de investimento. A Moody's não se manifestou sobre o assunto, mas a diretora de ratings soberanos para a América Latina da Fitch, Shelly Shetty, disse que o rating soberano do Brasil está "sob pressão" desde abril, sendo que alguns riscos no País têm piorado.

As declarações de Shelly Shetty reforçaram expectativas de que a agência poderá promover alguma mudança no rating brasileiro, o que levou as taxas de juros futuras a acelerarem levemente a trajetória de alta com que já vinham operando desde cedo.

Vale lembrar que, pelos critérios da Fitch, o Brasil ainda está dois degraus acima do grau especulativo.

As taxas dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) negociadas na BM&FBovespa voltaram a acelerar a alta diante de um discurso sem novidades do ministro Joaquim Levy, em entrevista coletiva no período da tarde.

O contrato com vencimento em janeiro de 2016 fechou com taxa de 14,50%, contra 14,38% do ajuste de quarta-feira. O DI de janeiro de 2017 teve a taxa elevada de 14,90% para 15,28% e o de janeiro de 2021 elevou a taxa de 14,74% para 15,15%.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.