A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Ipea vê desaquecimento no mercado de trabalho

A maioria dos indicadores do mercado de trabalho no primeiro semestre aponta para o fim do quadro de redução sucessiva das taxas

Rio de Janeiro - Embora o nível de desemprego no país permaneça baixo, a maioria dos indicadores do mercado de trabalho no primeiro semestre, e também os dados de julho, aponta para o fim do quadro de redução sucessiva das taxas. A análise está no boletim Mercado de trabalho: conjuntura e análise, lançado nesta quarta-feira, 4, pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea).

No entanto, para o editor responsável do boletim, Carlos Henrique Corseuil, diretor adjunto de Estudos e Políticas Sociais do instituto, uma eventual recuperação da atividade econômica pode levar a um quadro melhor no segundo semestre.

"A impressão é que existe uma defasagem no mercado de trabalho em relação ao nível de atividade. O primeiro semestre deste ano refletiu a perda de dinamismo na atividade no segundo semestre de 2012. Se o retrato for esse mesmo, nos deixa esperançosos (para este segundo semestre), pois o PIB está se recuperando", disse Corseuil, no Rio.

Apesar disso, os dados de julho "deixam dúvidas quanto à continuidade dos movimentos" de melhora, diz o Instituto no boletim. Dessa forma, o crescimento econômico, "tão necessário para reaquecer o mercado de trabalho", terá de vir de outras fontes que não o consumo das famílias, na avaliação de pesquisadores do Ipea.

Segundo os dados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o nível de ocupação está "virtualmente estagnado", fazendo os rendimentos médios do trabalhador pararem de crescer, ou até caírem, segundo análise do Ipea.

Comparando as taxas de desemprego, Corseuil nota que, a cada ano, elas apresentaram índices abaixo dos de anos anteriores. "Aquela tendência de queda no desemprego terminou", afirmou Corseuil. O pesquisador destacou, porém, que o nível de informalidade no emprego segue em processo de melhoria. No primeiro semestre de 2013, a taxa de informalidade ficou em 33,2%, queda de 0,9 ponto porcentual em relação a igual período de 2012.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também