Inflação na Venezuela pode ser de 330% - 6 vezes a oficial

Inflação oficial da Venezuela fechou 2013 em 56% - mas o número oficial pode ser até 6 vezes maior, de acordo com estimativa do Instituto Cato

São Paulo - A inflação na Venezuela fechou 2013 em 56% - uma das maiores taxas do mundo e quase 10 vezes maior que a brasileira.

Mas assim como ocorre na Argentina, as estatísticas do governo são no mínimo questionáveis, e o número real pode ser quase 6 vezes maior: 330%.

A estimativa foi feita pelo instituto conservador americano Cato com base no conceito de paridade de poder de compra (PPP) e na taxa de câmbio real: um dólar compra hoje 6,30 bolívares no mercado oficial e 87,06 bolívares no mercado negro.

Isso acontece porque o governo de Nicolás Maduro controla cada vez mais o fluxo de dólares e decretou leis para punir os comerciantes que desobedecessem os rígidos controles de preço.

Enquato isso, a economia continua sendo estimulada com a entrada de novos recursos. O resultado é a queda do bolívar e um mercado paralelo vibrante e com preços muito mais altos.

O índice oficial de escassez de produtos básicos - como farinha e papel higiênico - atingiu um novo recorde de 28% este mês.

O projeto da Cato é liderado pelo economista Steve Hanke, da Universidade John Hopkins, e acompanha 5 "moedas problemáticas". Na Argentina, a inflação estimada é de 54% - 5 vezes a oficial e o dobro do estimado por outras consultorias privadas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também