Economia

Número de trabalhadores sindicalizados cai pela metade em 11 anos, diz IBGE

Reforma trabalhista e vínculos mais frágeis dos mais jovens com o mercado podem explicar situação

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 21 de junho de 2024 às 10h43.

Em 2023, das 100,7 milhões de pessoas ocupadas, 8,4% (8,4 milhões de pessoas) eram associadas a sindicatos. Essa parcela é praticamente a metade do registrado em 2012, quando 16,1% dos trabalhadores eram sindicalizados.

A reforma trabalhista de 2017, que criou modelos de trabalho mais flexíveis, e o uso crescente de trabalhadores temporários na administração pública são apontados pelo IBGE como fatores que explicam a queda na parcela de sindicalização no mercado brasileiro num momento em que o emprego formal está crescendo.

O número de trabalhadores com carteira assinada bateu recorde em 2023, mesmo assim, a parcela dos sindicalizados entre o total de ocupados caiu em relação a 2022, quando eram 9,2%.

Na administração pública, a parcela de sindicalizados saiu de 24,5% em 2012 para 15,8% em 2022 e só 14,4% no ano passado.

O IBGE chamou a atenção ainda para a queda mais acentuada da sindicalização entre os jovens. Na faixa etária de 18 a 24 anos, a população ocupada recuou 8,7% no Brasil — refletindo tanto efeitos demográficos, como o envelhecimento dos brasileiros, como o avanço do ensino, que leva os jovens a ingressarem mais tarde no mercado de trabalho. No mesmo período, o número de trabalhadores sindicalizados nessa faixa etária recuou 73,4%.

"De modo geral essa população mais jovem se insere no mercado de trabalho através de vínculos mais frágeis, muitas vezes na informalidade, ou em trabalhos intermitentes, com maiores rotatividades, o que leva ao menor número de associações", explica Adriana Beringuy, coordenadora de Pesquisas Domiciliares do IBGE.

Com o crescimento de 205 mil pessoas em 2013, o total da população ocupada associada a sindicato começou a cair nos anos seguintes, ainda que o nível da ocupação tenha começado a subir.

"A redução do percentual de sindicalizados se intensifica em 2017, ano em que a nova legislação trabalhista entrou em vigor e que coincide bem com essa variação mais acentuada", diz William Kratochwill, gerente da pesquisa.

Aprovada pelo governo do ex-presidente Michel Temer, a Reforma Trabalhista criou novos modelos de contratos, como o trabalho intermitente, e acabou com a obrigatoriedade da contribuição sindical.

Chama a atenção também, nos dados do IBGE, a queda na sindicalização dos trabalhadores da indústria: eram 21,3% do total em 2012. No ano passado, essa fatia recuou para 10,3%.

 

 

Acompanhe tudo sobre:SindicatosIBGECUTJornada de trabalho

Mais de Economia

Governo sobe previsão de déficit de 2024 para R$ 28,8 bi, com gastos de INSS e BPC acima do previsto

Lula afirma ter interesse em conversar com China sobre projeto Novas Rotas da Seda

Lula diz que ainda vai decidir nome de sucessor de Campos Neto para o BC

Banco Central aprimora regras de segurança do Pix; veja o que muda

Mais na Exame