• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Governo propõe tirar operações com precatórios da meta fiscal de 2023

A proposta foi incluída no projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2023, enviado há duas semanas com a previsão de rombo de até R$ 65,9 bilhões nas contas do governo federal
 (Agência Brasil/Marcello Casal Jr)
(Agência Brasil/Marcello Casal Jr)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 29/04/2022 12:22 | Última atualização em 29/04/2022 12:48Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O governo federal propôs ao Congresso retirar da meta fiscal do ano que vem o impacto negativo das operações de "encontro de contas" com o pagamento dos precatórios (dívidas definidas na Justiça). A proposta foi incluída no projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2023, enviado há duas semanas com a previsão de rombo de até R$ 65,9 bilhões nas contas do governo federal.

Sem o abatimento, a meta de déficit teria de ser maior para acomodar o impacto dessas operações, já que não se sabe de antemão qual será o seu alcance. A meta é uma estimativa feita pelo governo para a diferença entre a sua expectativa de receitas e de gastos. Ao estabelecer um valor, o governo assume um compromisso público de equilibrar as contas e manter a dívida pública sob controle.

LEIA TAMBÉM: Governo federal amplia corte de alíquota de IPI de 25% para 35%

O "encontro de contas" permite ao governo aceitar precatórios como moeda de pagamento em venda de imóveis, outorga dos leilões de concessões, aquisição de ações de estatais privatizadas e compra de direitos sobre a parte da União no excedente de petróleo do pré-sal (cessão onerosa).

O governo quer estimular esse encontro de contas para evitar a formação de uma "bola de neve" de despesas de precatórios, considerando que o Congresso aprovou, no final de 2021, emenda constitucional que autoriza a postergação todos os anos de uma parte do pagamento dos precatórios.

Com o encontro de contas, o Ministério da Economia pretende diminuir o volume de precatórios que terão o pagamento adiado, um dos principais riscos fiscais na conta do próprio governo.

Essas operações ainda não foram regulamentadas pelo governo. A publicação de um decreto está sendo esperada pelo mercado para dar início às negociações. Para 2022, a LDO não permite o abatimento da meta fiscal, de déficit de até R$ 170,4 bilhões.

"Não há impacto na dívida bruta", disse ao Estadão/Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, o secretário do Tesouro Nacional, Paulo Valle. Como há uma troca de ativos entre o devedor (União) e os credores, não há fluxo financeiro envolvido em nenhum dos casos. Segundo ele, o objetivo é dar maior grau de transparência, e o primário será divulgado conforme a metodologia internacional. "A meta deixará mais claro o efeito do encontro de contas", afirmou.

O efeito negativo acontece porque na contabilidade pública há receitas que são financeiras que não entram no resultado fiscal. É o caso da venda de ações de empresas estatais, privatizações e o pagamento de dívidas por Estados e municípios. Por outro lado, o gasto que o governo faz pagando os precatórios é sempre contabilizado como uma despesa primária.

O secretário explicou que o abatimento é necessário porque não há muita previsibilidade para os anos futuros do tamanho da demanda dessas operações. "São tantos cenários de modalidades que preferimos tirar da meta", disse.

Em 2023, será o décimo ano consecutivo em que as contas serão fechadas no vermelho. O atingimento da meta fiscal é uma obrigação legal, e o seu descumprimento é passível de responsabilização do presidente da República.

Na avaliação do consultor de orçamentos do Senado Vinicius Amaral, especialista em direito financeiro e contas públicas, dada a natureza do encontro de contas faz sentido conferir um tratamento particular às operações. "No entanto, entendo que seria conveniente fixar algum limite ainda que elástico para o impacto primário dessas operações, para aprimorar a transparência e reduzir riscos fiscais", disse.

Investidores querem usar títulos para pagar Eletrobras

O Ministério da Economia já vem recebendo consultas do mercado sobre o uso de precatórios como moeda de troca por outros ativos. Um dos interesses é por ações da Eletrobras, mas o mercado aguarda desde o início do ano a publicação da norma para garantir segurança jurídica às operações.

A regulamentação da norma vem sendo trabalhada pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional e pelo Tesouro Nacional. Quando pronta, deve ser publicada via decreto. Segundo fontes da pasta, há ainda questões operacionais discutidas com a Advocacia-Geral da União e com o Conselho Nacional de Justiça que podem, no limite, empurrar a publicação da norma para 2023.

LEIA TAMBÉM:  Desemprego fica estável em 11,1% no primeiro trimestre