França tem esperança de vender Rafale ao Brasil

O otimismo francês se deve a uma negociação bem-sucedida com a Índia, que comprou nesta terça-feira 126 unidades do avião de combate

Paris - O ministro da Defesa francês, Gérard Longuet, afirmou nesta quarta-feira que tem esperanças de vender o avião de combate Rafale ao Brasil, após ter conseguido negociações exclusivas com a Índia para 126 unidades.

'Com o Brasil há esperanças e com a Índia estou confiante', indicou Longuet em entrevista concedida à emissora de televisão francesa 'Canal Plus', ao ser questionado sobre as possibilidades de exportar o Rafale, que até agora só equipa o Exército francês.

O ministro explicou que as autoridades brasileiras decidiram recuar em um potencial contrato de compra dos caças de fabricação da Dassault Aviation porque optaram por dar prioridade à aquisição de quatro submarinos franceses.

'Os brasileiros preferiram comprar primeiro o que lhes fazia mais falta, ou seja, quatro submarinos da França', declarou, acrescentando que a decisão sobre a licitação para os caças segue pendente e que os franceses 'estão na frente' de outros concorrentes. Para o eventual êxito da operação, Longuet considerou que a decisão indiana 'será muito útil'.

O Rafale concorre no Brasil com os Super Hornet F/A-18, da americana Boeing, e os Gripen NG, da sueca Saab, e a decisão sobre a compra foi deixada em suspenso no ano passado pelo governo da presidente Dilma Rousseff devido aos cortes orçamentários realizados.

O ministro francês também afirmou que tem 'uma forte esperança' que o Rafale possa ser exportado aos Emirados Árabes Unidos.


A Índia anunciou na terça-feira negociações exclusivas com a Dassault para a aquisição de 126 caças Rafale por um custo superior a US$ 10,4 bilhões, o que significa deixar de lado a oferta do consórcio europeu EADS e seu Eurofighter.

Para Longuet, essa decisão 'é uma grande promessa para toda a indústria aeronáutica e de defesa francesa'.

Além disso, apontou que a transferência de tecnologia com o esperado contrato com a Índia 'não é apenas inevitável, mas desejável', visto que a França precisa de parceiros para poder continuar vendendo as aeronaves.

O titular de Defesa confirmou que o Exército francês poderia abrir mão de integrar algum dos 11 Rafale que por enquanto são fabricados todos os anos em sua frota para poder entregá-lo aos eventuais países compradores.

A fabricação deste caça gera cerca de 10 mil postos de trabalho diretos na França em uma centena de empresas envolvidas em sua produção.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.