FGV: Desalinhamento cambial negativo piora e é um dos maiores já vistos

O desalinhamento médio da taxa real de câmbio no Brasil em setembro de 2020 ficou em -34,2%

O desalinhamento negativo da taxa de câmbio no Brasil voltou a aumentar no fim do terceiro trimestre e a ficar entre os maiores já vistos nos últimos anos, à medida que a moeda não reagiu à melhora de métricas de fundamentos de longo prazo, mostrou estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV) obtido com exclusividade pela Reuters.

Aproveitar as melhores oportunidades na bolsa exige conhecimento. Venha aprender com quem conhece na EXAME Research

O desalinhamento médio da taxa real de câmbio no Brasil em setembro de 2020 ficou em -34,2% ,ou seja, o câmbio real estava naquele mês 34,2% mais fraco do que o sugerido por fundamentos. As estimativas dos modelos utilizados se situam num intervalo que vai de um desalinhamento de cerca de -25% a -43,6%, conforme o estudo.

Em agosto, o desalinhamento médio fora de -29,2%, pior que o de -19,8% de julho.

Esse número tem sido negativo ao longo deste ano, com exceção de janeiro, quando ficou positivo em 5,1%. Em fevereiro, o descasamento da taxa de câmbio em relação aos fundamentos piorou para -13,3% e afundou para -32,7% em março, mês do início da pandemia.

"A persistência do desalinhamento frente a uma melhora consistente dos fundamentos ao longo de 2020 nos leva a reiterar que a desvalorização do real tem sido ocasionada principalmente por fatores de risco relacionados tanto à pandemia quanto à situação fiscal", disse Emerson Marçal, coordenador do Centro de Macroeconomia Aplicada da Escola de Economia de São Paulo da FGV (FGV EESP) e um dos autores do estudo, de divulgação trimestral.

Entre os fatores por trás da melhora dos fundamentos de longo prazo estão posição internacional de investimentos mais forte e superávits consecutivos nas transações correntes.

Segundo Marçal, a tendência histórica é que o câmbio real convirja para a taxa sinalizada pelos fundamentos, o que poderia ocorrer por dois canais: apreciação da taxa nominal, na esteira de melhora da percepção fiscal e de alívio da pandemia, ou via inflação, cujo aumento recente ele destacou na entrevista.

"Se a gente não tiver algo do lado fiscal, o câmbio vai continuar depreciando, vai puxar os preços (da economia para cima) e o BC vai ter de subir juros para segurar a inflação", disse. "Está ficando cada vez mais difícil o BC evitar esse encontro com o juro mais à frente", completou.

O estudo da FGV abarca os três primeiros trimestres de 2020 e, faltando três meses a serem avaliados, o desalinhamento médio cambial negativo em 2020 está em 24,3%, contra "gap" positivo de 4,6% em 2019.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.