É possível proteger os mais pobres do ajuste, diz professor

Crescimento dos salários sem aumento da produtividade é uma das raízes da crise, mas é possível proteger os mais pobres do ajuste, mostra debate na Fecomercio

São Paulo – Com a aprovação pela Câmara do fim das desonerações, o ajuste fiscal é cada vez mais uma realidade concreta – assim como suas consequências.

Ontem, o Ibge divulgou que o desemprego subiu para 6,7% em maio, maior nível em quase 5 anos - e a taxa deve continuar subindo. 

Para Samuel Pessôa, chefe do Centro de Crescimento Econômico do Instituto Brasileiro de Economia (IBRE/FGV), por enquanto é precipitado colocar isso na conta do ajuste, já que a economia vem de um processo longo de desaceleração.

“Nestes anos, nunca houve falta de demanda agregada, e sim desorganização da produção e queda da produtividade, o resultado de um ensaio nacional desenvolvimentista”.

Segundo ele, o ajuste se tornou inevitável: "nossos gastos são fruto de um modelo de contrato social, mas o nosso estado já não cabe dentro do PIB”.

Para Fernando Holanda Barbosa, também pesquisador do IBRE/FGV, a alternativa ao ajuste é uma “crise mais profunda e mais prolongada”. 

Os dois economistas participaram nesta manhã do debate “O Ajuste Fiscal, Emprego e Produtividade”, promovido pela Fecomercio na sua sede em São Paulo.

Para os presentes, fazer o ajuste não é só controlar gastos, mas mudar o equilíbrio em uma economia com problema crônico de produtividade e que já esgotou a inclusão da força de trabalho como força de crescimento.

O Brasil vinha de um círculo virtuoso no qual a entrada na força e os aumentos de salário dos trabalhadores menos qualificados geravam demanda pelos serviços que empregavam mais este próprio grupo.

O aumento da renda das mães, em particular, permitiu que muitos jovens saíssem da força de trabalho para estudar, o que puxou para baixo a taxa de desemprego entre estes jovens – que sempre foi mais alta.

Por que essa dinâmica não continuou? Porque “é impossível um país dar reajuste de salário acima da produtividade para sempre”, diz Holanda.

E a produtividade brasileira mal se moveu na última década: hoje, um trabalhador brasileiro produz o mesmo que um chinês. Até pouco tempo, eram necessários dez chineses para fazer o trabalho de um brasileiro. 

“E a partir do momento que e a renda de trabalho dos adultos começa a cair, termina essa dinâmica positiva e a taxa de participação dos jovens começa a subir um pouco”, diz Naércio Menezes, coordenador do Centro de Políticas Públicas do Insper.

Desemprego

É esta pressão dupla que empurra o desemprego a partir de agora: corte de vagas no momento em que mais pessoas voltam ao mercado acuadas pela crise.

Mas se o salário real cai, o desemprego não sobe tanto, e vice-versa. Nesse sentido, os economistas notam que mercado de trabalho brasileiro tem se mostrado mais flexível do que o esperado.

Dados compilados por Hélio Zylberstajn, professor da FEA-USP, mostram que pela primeira vez em uma década, a variação anual na folha salarial está caindo. 

Além disso, os acordos feitos já em 2015 entre trabalhadores e empresas têm consolidado reduções de jornada e de salários reais: "a dificuldade chegou à mesa de negociação”, resume Hélio.

Desigualdade

Neste contexto, a prioridade deve ser preservar os ganhos dos últimos anos entre os mais vulneráveis. Paradoxalmente, a ainda altíssima desigualdade brasileira faz com que isso não seja tão difícil.

Como os 50% mais pobres (100 milhões de brasileiros) tem apenas 15% da renda nacional, é possível – pelo menos na teoria – fazer com que a outra metade absorva a queda do PIB per capita sem maiores consequências para o equilíbrio macroeconômico.

“Os pobres estão hoje mais conectados ao carro chefe da economia brasileira, então também sentem mais a crise, mas agora é o momento de aproveitar a desigualdade que ainda existe para isolá-los. Você ainda tem 2 Brasis, o que é péssimo, mas no momento da crise é bom”, diz Ricardo Paes de Barros, professor do Insper.

Ele nota que como a pobreza no Brasil ainda é desproporcionalmente concentrada em municípios pequenos e áreas rurais, a interiorização do gasto público e dos recursos de transferência de renda pode ser um instrumento poderoso para preservar uma dinâmica positiva.

Os focos de cortes deveriam ser outros: a alta desigualdade de remuneração no setor público, os subsídios para grandes grupos e os desequilíbrios na Previdência.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.