Onze vezes em que Meirelles errou sobre a Previdência

Desde o início do ano, o ministro promete a aprovação de mudanças na Previdência. Até agora, não acertou nenhuma. Ele está enganando ou sendo enganado?

Desde que assumiu a presidência, em maio de 2016, Michel Temer acumula promessas de reformas. Algumas foram de fato entregues, como a trabalhista (embora com inúmeras incertezas a resolver).

Mas a mais importante delas, a da Previdência, vendida como a salvação para as contas públicas, virou uma das lendas urbanas de Brasília.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, é o grande porta-voz da reforma fundamental para cobrir os sucessivos déficits do país.

O problema é que desde que o texto foi enviado ao Congresso, em dezembro de 2016, todas a previsões de Meirelles deram com os burros n’água. Em defesa do ministro, as duas denúncias contra Michel Temer atrapalharam toda a pauta do Congresso.

“Até agora, o ministro contou com a instabilidade política para não ser obrigado a cumprir com a promessa que faz de votar a reforma sempre no próximo mês”, diz Juliano Griebeler, diretor de relações governamentais da consultoria Barral M Jorge.

Para ele, a tática de Meirelles é manter a discussão quente no Congresso e na opinião pública e também usá-la como argumento para as medidas de redução de despesas e contingenciamento de gastos que o governo tem feito.

Na quinta-feira, depois de a denúncia contra Temer ser rejeitada e destravar a pauta da Câmara, Meirelles voltou a afirmar que a reforma sai até o fim do ano.

Mas o mercado não comprou: o Ibovespa caiu com a descrença dos investidores de que a reforma venha a ser aprovada ainda em 2017.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já admite que pode não ser possível que ela seja aprovada da maneira que o governo pretendia, já que a reforma completa precisa de 308 votos por se tratar de uma Proposta de Emenda à Constituição.

Em paralelo, ele trabalha com mudanças que sejam possíveis por meio de projetos de lei, que são de mais fácil tramitação.

Enquanto isso, Meirelles continua batendo o pé numa reforma da Previdência com P maiúsculo. A seguir, 11 vezes em que previsões da aprovação da reforma da Previdência não saíram como o esperado – e, para fechar a lista, a mais recente previsão do ministro.

1 – Ainda em dezembro do ano passado, com o Congresso em recesso, Meirelles disse que a reforma da Previdência era a “prioridade número 1 em 2017”, segundo reportagem do O Estado de S. Paulo 

2 – Em março, o ministro avisou que se a reforma não fosse completa, era melhor não fazer nada. Hoje, sabemos que, se aprovada, ela será muito diferente da proposta pelo governo. Reportagem: O Estado de Minas 

3 – No mesmo dia, oito de março, Meirelles disse esperar que a reforma fosse aprovada pela Câmara ainda em abril. Reportagem: R7

4 – Oito dias depois, a previsão mudou para maio, segundo reportagem da VEJA

5 – Em abril, “uma ou duas semanas de atraso” não fariam diferença – passaram-se 27 semanas desde então e nada. Reportagem: Folha de S. Paulo 

6 – No dia 16 de maio, um dia antes da delação de executivos da J&F e da gravação da conversa entre Joesley Batista e Temer virem à tona, Meirelles estava esperançoso para maio. Reportagem: Agência Brasil 

Agência Brasil

7 – Logo depois, disse que a reforma passaria mesmo sem o chefe, segundo reportagem de Exame.com. Como se sabe, Temer continua, mas a reforma, até agora, não veio 

8 – Em junho, mais uma vez, a promessa era de que a aprovação viria ainda naquele mês. Reportagem: Época Negócios 

9 – Mas poderia ser também em agosto, segundo O Estado de S. Paulo 

10 – Em agosto, a previsão foi jogada para o mês seguinte, setembro. Reportagem: O Estado de S. Paulo 

11 – E em setembro, foi transferida para outubro, segundo o jornal Folha de S. Paulo 

Agora, o ministro crê na aprovação em novembro, mas o mercado já não acredita mais em Meirelles. E você? Reportagem: Exame.com 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.