Economia

Dirceu recebeu dinheiro de empresa envolvida na Telebrás, diz jornal

Dono de empresa que seria beneficiada com reativação da Telebrás admite que pagou R$ 620.000 ao ex-ministro, mas diz que comprou serviço de consultoria

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 23 de fevereiro de 2010 às 14h28.

São Paulo - O ex-ministro José Dirceu embolsou aproximadamente 620.000 reais da Star Overseas Ventures, uma empresa com sede no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas, que seria uma das principais beneficiadas caso a reativação da Telebrás seja realmente efetivada, segundo apurou o jornal Folha de S. Paulo.

O esquema de favorecimento à empresa de Santos começa quando, em 2005, sua "offshore" - empresa no estrangeiro com o objetivo de produzir ou fazer circular bens ou serviços - comprou parte da Eletronet, empresa de telecomunicações à beira da falência, por um real. A companhia possuía capital misto - estatal e privado - e 51% pertencia à norte-americana AES.

Com o pedido de autofalência da brasileira, a AES revendeu sua fatia para a canadense Contem, que, por sua vez, fez o negócio de um real com a Star Overseas Ventures. Ao pagar esse montante, Santos assumiu uma dívida de aproximadamente 800 milhões de reais. Porém, se a Telebrás for reativada, a participação da companhia adquirida por Santos pode chegar a acumular um valor de mercado de 200 milhões reais.

Isso porque a estratégia do governo, desde 2007, quando Santos fez um contrato com Dirceu, é utilizar a rede de fibra óptica da Eletronet na reabertura da Telebrás. O próprio presidente Lula já afirmou isso publicamente, como, por exemplo, em um discurso no Rio, em julho do ano passado.

"Nós estamos brigando há cinco anos para tomar conta da Eletronet, que é uma empresa pública que foi privatizada, que faliu, e que estamos querendo pegar de volta", afirmou o presidente na época. Para conseguir retomar o controle da empresa, porém, um acordo precisaria ser firmado com a Star Overseas, suas sócias e suas controladoras. Com isso, Santos sairia do negócio com um lucro enorme e sem nenhuma dívida para pagar.

José Dirceu também defende o negócio do governo com a Eletronet. Em seu blog, vem falando sobre o assunto desde março de 2007, mesmo mês em que se tornou sócio de Santos. Seu texto mais recente sobre o assunto foi publicado no "Brasil Econômico", no último dia 4 de fevereiro.

Às 12h20, as ações da Telebrás (TELB3) apresentavam uma queda de 5,91%, sendo negociadas a 2,39 reais.

Acompanhe tudo sobre:GovernoPolíticaTelecomunicações

Mais de Economia

Qual é a diferença entre bloqueio e contingenciamento de recursos do Orçamento? Entenda

Haddad anuncia corte de R$ 15 bilhões no Orçamento de 2024 para cumprir arcabouço e meta fiscal

Fazenda mantém projeção do PIB de 2024 em 2,5%; expectativa para inflação sobe para 3,9%

Mais na Exame