Economia

Custo de Vida desacelera em São Paulo, mostra Dieese

No acumulado do ano, o ICV indicou alta de 5,35% e, nos últimos 12 meses, de 8,08%


	SP: dos 10 grupos pesquisados, o de habitação foi o que mais pressionou o custo de vida, com variação de 0,42%
 (Germano Luders/Exame)

SP: dos 10 grupos pesquisados, o de habitação foi o que mais pressionou o custo de vida, com variação de 0,42% (Germano Luders/Exame)

DR

Da Redação

Publicado em 7 de outubro de 2016 às 18h35.

São Paulo - O Índice do Custo de Vida (ICV) na cidade de São Paulo desacelerou entre agosto e setembro ao passar de 0,36% para 0,03%, revela pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

No acumulado do ano, o ICV indicou alta de 5,35% e, nos últimos 12 meses, de 8,08%.

Segundo o Dieese, o comportamento dos preços “permanece relativamente estável”. Dos 10 grupos pesquisados, o de habitação foi o que mais pressionou o custo de vida, com variação de 0,42%.

Essa alta teve influência da tarifa de telefone, com impacto de 0,7% no subgrupo operação do domicílio. Também foi verificada pressão do conjunto aluguel, impostos e condomínio (0,03%), além dos gastos com conservação da residência (0,05%).

Em compensação uma das classes de despesas que mais provocam impacto sobre o orçamento doméstico, alimentação, teve queda de 0,15%, enquanto o item transporte registrou recuo de 0,19%.

Nesse caso, a queda foi puxada pelos combustíveis: álcool (-0,46%) e gasolina (-034%). Entre os itens alimentícios, houve retração de preços dos legumes (-11,62%); das raízes e tubérculos (-10,55%); hortaliças (-7,98%) e grãos (-2,78%).

Mais três grupos tiveram redução: equipamento domésticos (-0,05%); vestuário (-0,24%) e despesas pessoais (-0,24%).

No levantamento sobre as três classes de renda, a de nível mais elevado, com ganho médio de R$ 2.792,90 foi a que mais sentiu os aumentos de preços, com taxa média do índice em 0,09%.

Para os mais pobres, com renda de R$ 377,49, o índice recuou em 0,03%. Na faixa intermediária, com ganho médio de R$ 934,17, houve deflação de 0,02%.

Acompanhe tudo sobre:cidades-brasileirasCusto de vidaDieeseMetrópoles globaissao-paulo

Mais de Economia

Governo sobe previsão de déficit de 2024 para R$ 28,8 bi, com gastos de INSS e BPC acima do previsto

Lula afirma ter interesse em conversar com China sobre projeto Novas Rotas da Seda

Lula diz que ainda vai decidir nome de sucessor de Campos Neto para o BC

Banco Central aprimora regras de segurança do Pix; veja o que muda

Mais na Exame