Coronavírus faz preço da cesta básica subir, com avanço do arroz e feijão

Com alimentação em casa e estocagem durante quarentena, houve aumento da demanda por alimentos

O preço médio dos alimentos da cesta básica do brasileiro já sentiu o efeito da quarentena imposta pela pandemia do coronavírus, saltando de uma alta de 0,19% no dia 2 de março, contra 3 de fevereiro, para alta de 1,64% em 26 de março, ante a variação de 27 de fevereiro, informou nesta terça-feira, 31, a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

"Com as famílias mais tempo em casa, houve aumento da busca por alimentos nos mercados", explica a FGV em nota.

Itens básicos que estavam com preço em queda na primeira aferição de março, passaram a subir no levantamento mais recente.

O feijão carioca passou de uma queda de 2,16% para alta 0,58% na comparação, e o feijão preto, que havia caído 2,61% no início do mês, agora registra alta de 2,24%. O arroz, já em alta na mediação anterior, de 1,17%, subiu para 1,74%, e os ovos tiveram o preço elevado de alta de 5,04% para 9,04%.

A carne bovina registrava em 2 de março queda de 2,31% e, após o início da quarentena, está custando 0,25% a mais. Já o frango inteiro teve redução de preço, de queda de 1,47% para uma queda de 2,20% na mesma comparação.

De acordo com o economista André Braz, coordenador do Índice de Preço ao Consumidor (IPC) do Ibre-FGV, além do aumento da demanda por alimentos, a estocagem também afetou os preços. "Dois pontos principais explicam o avanço dos preços. Além do aumento da demanda por alimentos, pois todas as refeições estão sendo feitas em residência, houve aumento da estocagem de alimentos por receio de que o vírus se propague mais e expanda o período de confinamento social", explicou.

De acordo com Braz, os serviços 'delivery' em operação servem como alternativa para as famílias, mas o nível de preços da alimentação preparada fora de casa é maior do que o da refeição preparada em residência. "Como o orçamento de várias famílias foi afetado pela paralisação do comércio e dos serviços, muitas delas não dispõem de renda para arcar com os custos da alimentação fora de casa", avaliou.

Ele lembrou ainda que a alta obedece o princípio da oferta e demanda, e que muitas famílias com mais recursos acabam comprando antecipadamente os produtos que passam a faltar para as famílias de mais baixa renda.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.