China impulsiona estímulo econômico com mais de 1 trilhão de yuans. Será suficiente?

Crise imobiliária e a reabertura errática do país devido aos bloqueios da pandemia colocaram a meta oficial de crescimento do PIB de cerca de 5,5% bem fora de alcance
China: país intensificou seus estímulos econômicos. (Kevin Frayer/Getty Images)
China: país intensificou seus estímulos econômicos. (Kevin Frayer/Getty Images)
B
BloombergPublicado em 25/08/2022 às 11:21.

A China intensificou seu estímulo econômico com mais de 1 trilhão de yuans (US$ 146 bilhões) de financiamento focado em gastos com infraestrutura, mas isso provavelmente não será suficiente para compensar os danos à economia causados pelos repetidos bloqueios de Covid e uma crise imobiliária.

O Conselho de Estado delineou um pacote de políticas com 19 medidas na quarta-feira, incluindo outros 300 bilhões de yuans que os bancos estatais podem investir em projetos de infraestrutura, além de 300 bilhões de yuans já anunciados no final de junho. E os governos locais terão uma alocação de 500 bilhões de yuans em títulos especiais de cotas que não foram utilizadas.

Veja exemplos práticos de como as empresas geram valor aos seus negócios com as normas do ESG

Em reunião presidida pelo primeiro-ministro Li Keqiang, o Conselho de Estado prometeu fazer uso das “ferramentas disponíveis”, de acordo com um Leia da emissora estatal CCTV.

Economistas do Goldman Sachs disseram que as medidas anunciadas na quarta-feira não serão suficientes para elevar a taxa de crescimento dos 3% que eles projetam.

“Estamos recebendo estímulo, mas não é rápido o suficiente para acompanhar o ritmo de deterioração da economia em geral”, disse Andrew Tilton, economista-chefe para Ásia do Goldman, em entrevista à Bloomberg TV. “Mais flexibilização da política doméstica e melhor crescimento e demanda serão fundamentais em 2023.”

O Conselho de Estado também disse que a economia não será inundada por estímulos excessivos e que a China não vai “exagerar” nas medidas políticas para proteger o crescimento de longo prazo - reiterando a postura relativamente cautelosa do governo este ano.

A reunião enviou um sinal: “Não espere estímulos adicionais maciços”, de acordo com Bruce Pang, chefe de pesquisa e economista-chefe para China da Jones Lang LaSalle. Ele acrescentou que a linguagem usada no anúncio sugere que “a possibilidade de adotar ferramentas extraordinárias, como títulos soberanos especiais ou aumentar o déficit orçamentário oficial, diminuiu”.

A crise imobiliária e a reabertura errática da China devido aos bloqueios de Covid colocaram a meta oficial de crescimento do PIB de cerca de 5,5% bem fora de alcance. As autoridades minimizaram a meta nos últimos meses ao seguirem a política Covid Zero. Economistas consultados pela Bloomberg projetam um crescimento inferior a 4% este ano.