Autoridades da UE rejeitam proposta de reforma da Grécia

Autoridades de Bruxelas declararam que os credores internacionais da Grécia não aceitariam as mais recentes propostas sobre impostos, dívida e orçamento

Atenas/Bruxelas - Autoridades da União Europeia rejeitaram rapidamente as novas promessas de reforma da Grécia nesta terça-feira, dizendo que as propostas não bastam para liberar os fundos de que Atenas necessita urgentemente para evitar um calote de suas dívidas.

Apesar dos sinais de que o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, está adotando um tom mais conciliador à medida que o tempo para se chegar a um acordo se esgota, as autoridades de Bruxelas não demoraram a declarar que os credores internacionais da Grécia não aceitariam as mais recentes propostas sobre impostos, dívida e orçamento.

O principal porta-voz da Comissão Europeia afirmou que o executivo da UE ainda está estudando as sugestões, e enfatizou que outros dirigentes não falam em nome da Comissão – mas as autoridades do bloco deram seu veredicto poucas horas depois de Atenas anunciar ter encaminhado o plano a Bruxelas.

“O que foi apresentado não é o suficiente para fazer o processo avançar”, declarou uma autoridade da UE. Outro disse que “não é o suficiente e não é aceitável para os Estados-membros”.

Mais tarde, uma fonte afirmou que a Grécia está revisando as propostas. Atenas iria conversar com seus credores nesta terça-feira com o objetivo de diminuir as diferenças entre as partes, de forma que Tsipras consiga finalizar um acordo em uma reunião em Bruxelas na quarta-feira, disse a fonte, a par das conversas.

A frustração dos colegas de zona do euro da Grécia, que arcaram com grande parte do pacote de resgate de 240 bilhões de euros concedido a Atenas desde que a Grécia mergulhou em uma crise fiscal em 2010, só faz aumentar. As propostas enviadas a Bruxelas representaram uma nova tentativa de Tsipras de fazer concessões à UE e ao Fundo Monetário Internacional (FMI), um de seus credores, já que o prazo estabelecido para que se firme um pacto que evite a falência do país está chegando ao fim.

O líder esquerdista grego, que se encontrará com a chanceler alemã, Angela Merkel, e com o presidente francês, François Hollande, na quarta-feira, concordou com um novo aumento dos impostos sobre valor agregado e propôs metas de superávit orçamentário maiores para sustar a dívida que tem com os credores. O mercado de ações grego subiu 2 por cento na esperança de que um acordo esteja próximo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.