• AALR3 R$ 19,60 -1.01
  • AAPL34 R$ 74,36 1.72
  • ABCB4 R$ 16,43 1.36
  • ABEV3 R$ 14,53 0.35
  • AERI3 R$ 3,81 -1.04
  • AESB3 R$ 10,67 -1.11
  • AGRO3 R$ 32,37 2.76
  • ALPA4 R$ 21,90 -0.82
  • ALSO3 R$ 19,62 0.26
  • ALUP11 R$ 26,19 0.42
  • AMAR3 R$ 2,23 3.24
  • AMBP3 R$ 29,72 4.54
  • AMER3 R$ 23,04 1.63
  • AMZO34 R$ 72,52 3.90
  • ANIM3 R$ 5,38 7.60
  • ARZZ3 R$ 82,03 2.08
  • ASAI3 R$ 15,52 1.84
  • AZUL4 R$ 20,75 11.02
  • B3SA3 R$ 11,44 -3.87
  • BBAS3 R$ 35,10 -0.17
Abra sua conta no BTG

ANTT mantém multas a 3 concessionárias de rodovias

Argumentos sobre acusações de descumprimento de contrato foram considerados "improcedentes"

	Rodovia: A ANTT abriu processo administrativo em maio deste ano contra seis concessionárias de rodovias por atrasos em obras
 (Edson Ruiz/Placar)
Rodovia: A ANTT abriu processo administrativo em maio deste ano contra seis concessionárias de rodovias por atrasos em obras (Edson Ruiz/Placar)
Por Da RedaçãoPublicado em 24/09/2013 13:45 | Última atualização em 24/09/2013 13:45Tempo de Leitura: 1 min de leitura

São Paulo - A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) considerou "improcedentes" os argumentos de três concessionárias de rodovias sobre acusações de descumprimento de contrato, mantendo multas que variam de 56 mil a 907,5 mil reais.

Segundo deliberações publicadas no Diário Oficial nesta segunda-feira, os recursos apresentados pelas concessionárias Transbrasiliana, da BR Vias, pela Autopista Fernão Dias e Planalto Sul, ambas da Arteris, foram considerados improcedentes.

Para a concessionária Transbrasiliana, a multa considerada é de 330 mil reais, enquanto para a Planalto Sul, o valor chega a 907,5 mil reais. No caso da Autopista Fernão Dias, são consideradas três multas em 56 mil, 231 mil, e 385 mil reais.

A agência não soube informar de imediato o prazo para pagamento de multas e se as empresas ainda podem recorrer da decisão.

A ANTT abriu processo administrativo em maio deste ano contra seis concessionárias de rodovias por atrasos em obras, além das três cujos argumentos foram considerados improcedentes, estão Régis Bittencourt e a concessionária ViaBahia, que tem como sócios a Isolux Corsán e a Infravix Participações.