Varíola dos macacos não é transmitida pelo ar, dizem cientistas dos EUA

Especialistas dos CDC dos Estados Unidos dizem que o vírus “não é conhecido por permanecer no ar". OMS e outras entidades ponderam que transmissão dessa forma não é comum, mas é possível
“O que sabemos é que aqueles diagnosticados com varíola dos macacos neste surto atual descreveram contato físico próximo e prolongado com outras pessoas infectadas com o vírus”, disse um dos especialistas (Centro de Controle de Doenças/Divulgação)
“O que sabemos é que aqueles diagnosticados com varíola dos macacos neste surto atual descreveram contato físico próximo e prolongado com outras pessoas infectadas com o vírus”, disse um dos especialistas (Centro de Controle de Doenças/Divulgação)
Por Agência O GloboPublicado em 12/06/2022 14:44 | Última atualização em 12/06/2022 14:44Tempo de Leitura: 7 min de leitura

Autoridades dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos rejeitaram na sexta-feira a ideia de que o vírus da varíola dos macacos possa se espalhar pelo ar. Eles afirmam que o vírus geralmente é transmitido por contato físico direto com feridas ou materiais contaminados de um paciente.

O vírus também pode ser transmitido por gotículas respiratórias expelidas por um paciente infectado que entra em contato físico com outra pessoa, segundo eles. Mas não pode permanecer no ar por longas distâncias.

Especialistas em transmissão aérea de vírus não discordam, mas alguns disseram que a agência não considerou totalmente a possibilidade de que gotículas respiratórias, grandes ou pequenas, pudessem ser inaladas a uma distância menor de um paciente.

OMS e entidades médicas contestam

A Organização Mundial da Saúde e vários especialistas afirmam que, embora a transmissão aérea de “curto alcance” da varíola dos macacos pareça incomum, é possível e requer precauções . A Grã-Bretanha também inclui a varíola dos macacos em sua lista de “doenças infecciosas de alta consequência” que podem se espalhar pelo ar.

“A transmissão aérea pode não ser a via dominante de transmissão nem muito eficiente, mas ainda pode ocorrer”, disse Linsey Marr, especialista em vírus aéreos da Virginia Tech. “Acho que a OMS está certa e a mensagem do CDC é enganosa”, acrescentou.

Nos Estados Unidos, o surto de varíola dos macacos aumentou para 45 casos em 15 estados e no Distrito de Columbia, disseram funcionários do CDC em entrevista coletiva. A contagem global aumentou rapidamente desde 13 de maio, quando o primeiro caso foi relatado, para mais de 1.450. Pelo menos 1.500 casos ainda estão sob investigação.

Historicamente, as pessoas com varíola dos macacos relataram sintomas semelhantes aos da gripe antes que uma erupção cutânea característica apareça. Mas alguns pacientes no surto atual desenvolveram a erupção primeiro, e alguns não tiveram esses sintomas, disse Rochelle Walensky, diretora da agência, na sexta-feira. Ainda não foram registradas mortes no surto atual, disse ela.

As perguntas sobre a transmissão aérea do vírus da varíola dos macacos são importantes porque as respostas, por sua vez, terão como base as recomendações de uso de máscaras, ventilação e outras medidas de proteção caso o surto continue a crescer.

O CDC disse na quinta-feira que a varíola dos macacos “não é conhecida por permanecer no ar e não é transmitida durante curtos períodos de espaço aéreo compartilhado”. A declaração seguiu um artigo do New York Times publicado na terça-feira, no qual cientistas descreveram incertezas sobre a transmissão do vírus.

“O que sabemos é que aqueles diagnosticados com varíola dos macacos neste surto atual descreveram contato físico próximo e prolongado com outras pessoas infectadas com o vírus”, disse Walensky. “Isso é consistente com o que vimos em surtos anteriores e com o que sabemos de décadas estudando esse vírus e vírus intimamente relacionados”.

Mas a varíola dos macacos é pouco estudada, disseram outros especialistas, e episódios ocasionais de transmissão aérea foram relatados para o vírus da varíola intimamente relacionado.

Em um surto de varíola dos macacos em 2017 na Nigéria, infecções ocorreram em dois profissionais de saúde que não tiveram contato direto com pacientes, disseram cientistas em uma recente conferência da OMS. Alguns pacientes no surto atual não sabem quando ou como contraíram o vírus, reconheceram os funcionários do CDC.

"A agência está certa em garantir ao público que o surto não é uma ameaça para a maioria das pessoas, porque a varíola não é tão contagiosa quanto o coronavírus", disse o Dr. Donald Milton, especialista em transmissão de vírus no ar da Universidade de Maryland.

"É improvável que a transmissão aérea seja um risco para qualquer pessoa além dos cuidadores imediatos", acrescentou ele, alertando que negar totalmente a possibilidade “é a maneira errada de fazer isso”.

Quando um vírus está presente na saliva ou no trato respiratório, como a varíola dos macacos, ele pode ser expelido em gotículas respiratórias ao falar, cantar, tossir ou espirrar, disseram Milton e outros especialistas.

As gotículas podem ser pesadas e cair rapidamente em objetos ou pessoas, ou podem ser pequenas e leves, permanecendo no ar por longos períodos e distâncias. A avaliação do CDC depende em parte se o vírus está presente apenas em gotículas grandes ou também nas muito pequenas, chamadas aerossóis.

Um debate semelhante se desenrolou no início da pandemia de coronavírus, quando a agência e a OMS focaram em grandes gotículas como principal via de transmissão. Mas os aerossóis acabaram sendo um fator importante.

A nova orientação do CDC sobre a varíola dos macacos descreveu as gotículas respiratórias emitidas pelos pacientes como “secreções que caem rapidamente do ar”. Mas o vírus “pode estar presente em partículas respiratórias de qualquer tamanho”, não apenas em gotículas grandes, disse Lidia Morawska, especialista em qualidade do ar da Universidade de Tecnologia de Queensland, na Austrália.

“Na minha opinião, não há base para a afirmação de que o vírus é transmitido apenas por grandes gotículas e apresenta risco de infecção apenas a curtas distâncias”, escreveu ela em um e-mail.

Os pacientes no surto atual parecem ter sido infectados por meio de contato próximo e prolongado, disseram autoridades do CDC na sexta-feira. Mas isso pode ser difícil de determinar.

Quando as pessoas estão em contato próximo, pode ser impossível distinguir se um vírus foi transmitido pelo toque, spray de grandes gotículas ou inalação de aerossóis, disse Marr.

“A ocorrência de transmissão em tais situações não define como o vírus passou de uma pessoa para outra”, acrescentou. Se a transmissão pode ocorrer pela pulverização de gotículas respiratórias, “então quase certamente também ocorre pela inalação de aerossóis”.

Ainda assim, a maioria dos especialistas concorda que, seja qual for a contribuição dos aerossóis inalados, a varíola dos macacos não parece ser transmitida nas distâncias que o coronavírus ou o vírus do sarampo podem ser.

"Concordo que a maior parte da transmissão da varíola dos macacos ocorre pelo toque - provavelmente o contato direto entre as membranas mucosas", disse o Dr. Milton.

Mas o “CDC parece estar preso à terminologia antiga”, disse ele. “Nós realmente precisamos falar sobre transmissão usando termos que digam claramente como isso acontece – através do toque, spray ou inalação.”

Precauções

O próprio CDC reconhece a possibilidade de transmissão aérea de curto alcance em seus conselhos aos médicos. A agência recomenda que os pacientes usem máscaras e que os profissionais de saúde que cuidam deles usem respiradores N95, necessários para filtrar aerossóis.

Também adverte que “os procedimentos que podem espalhar secreções orais devem ser realizados em uma sala de isolamento de infecções transmitidas pelo ar”.

Há evidências de que a varíola dos macacos pode sobreviver em aerossóis e que o vírus inalado pode causar doenças em macacos. A transmissão aérea pode não ser ideal para o vírus da varíola dos macacos, no entanto.

Os pacientes podem não liberar muitos vírus em aerossóis, o vírus pode não permanecer infeccioso por muito tempo ou a quantidade de vírus inalada necessária para infectar alguém pode ser muito alta, disse Marr.

Se for esse o caso, é provável que a transmissão aérea ocorra apenas entre pessoas que estão próximas por longos períodos. Ainda assim, autoridades de saúde da Grã-Bretanha, como as dos Estados Unidos, disseram que muitos pacientes parecem não saber quando ou onde podem ter sido infectados.

Se eles foram infectados sem contato próximo, "é possível que a transmissão aérea esteja ocorrendo mais do que imaginamos", disse Marr.