Ciência

Vacina contra covid-19 da Sanofi e GSK é adiada para o fim de 2021

O adiamento acontece depois de resultados abaixo do esperado nos primeiros testes clínicos em pessoas mais velhas

Grupo farmacêutico Sanofi (Eric Piermont/AFP/AFP)

Grupo farmacêutico Sanofi (Eric Piermont/AFP/AFP)

A

AFP

Publicado em 11 de dezembro de 2020 às 07h32.

Última atualização em 11 de dezembro de 2020 às 07h33.

Os laboratórios francês Sanofi e britânico GSK anunciaram nesta sexta-feira que sua vacina contra a covid-19 não ficará pronta até o fim de 2021, depois de resultados abaixo do esperado nos primeiros testes clínicos.

O programa foi "adiado para melhorar a resposta imunológica nas pessoas mais velhas", afirmaram as empresas em um comunicado.

A pandemia está mexendo com a economia e os negócios em todo o mundo. Venha aprender o que realmente importa na EXAME Research.

Os dois laboratórios esperam disponibilizar a vacina no quarto trimestre do próximo ano. O plano original era apresentar um pedido de licença no primeiro semestre de 2021 e produzir um bilhão de doses.

A Sanofi, que está desenvolvendo a vacina em parceria com a GSK - que fornece o adjuvante - havia informado recentemente que esperava iniciar os últimos testes em humanos (fase 3) no fim de dezembro.

Mas os resultados provisórios dos primeiros testes (fases 1 e 2) não atingiram as expectativas.

Embora a resposta imunológica em adultos com idades entre 18 a 49 anos seja "comparável a de pacientes que se recuperaram da infecção por covid-19", esta resposta é "insuficiente" nos adultos mais velhos, afirma o comunicado.

Os laboratórios desejam "aperfeiçoar a concentração de antígenos para obter uma alta resposta imunológica em todas as faixas etárias", completa a nota.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusDoençasPandemiaSanofiSaúdeTodos contra o coronavírusvacina contra coronavírusVacinas

Mais de Ciência

Dia do Amigo: relação é fundamental para a saúde mental, diz psicóloga

Álcool: quanto você pode beber e ainda assim ficar saudável?

Caverna na Lua poderia abrigar humanos; entenda

Crise climática pode impactar vida sexual dos insetos, diz estudo

Mais na Exame