Telescópio James Webb está operante e captura imagem detalhada de estrelas

Lançado em dezembro do ano passado, o Webb está a uma distância de 1,6 milhão de quilômetros da Terra, cerca de quatro vezes a distância da Lua
 (Nasa/Reprodução)
(Nasa/Reprodução)
Por André LopesPublicado em 17/03/2022 10:47 | Última atualização em 17/03/2022 10:51Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Chegou a hora: o Telescópio Espacial James Webb, o principal observador do espaço do momento, completou com sucesso a etapa de alinhamento de seus 18 segmentos de espelhos de ouro na quarta-feira, 16. Cumprindo essa parte do cronograma, o Webb segue para o afinamento de suas configurações.

Para demonstrar que o funcionamento está em ordem, o Webb focou em uma estrela chamada 2MASS J17554042+6551277. No resultado, foi aplicado um filtro vermelho para mostrar o contraste. A capacidade de observação do Webb é tão sensível que galáxias e estrelas individuais também podem ser vistas atrás da estrela na imagem.

“As imagens são focadas tão bem quanto as leis da física permitem”, disse Marshall Perrin, vice-cientista de telescópios Webb no Space Telescope Science Institute em Baltimore. “Mas como estávamos focando nessas estrelas brilhantes, não pudemos deixar de ver o resto do universo entrando em foco atrás delas, para ver as estrelas e galáxias mais distantes aparecendo.”

Embora as primeiras imagens de alta resolução que Webb coleta do cosmos não sejam esperadas até o final de junho, as novas imagens de teste divulgadas pela Nasa na quarta-feira, 16, mostram que Webb pode usar os segmentos individuais de seu espelho como um gigante de 6,5 metros e capture a luz de uma única estrela.

“As imagens de engenharia que vimos hoje são tão nítidas quanto as imagens que o Hubble pode tirar, mas estão em um comprimento de onda de luz que é totalmente invisível para os humanos, então isso está fazendo o universo invisível se encaixar em um foco muito, muito nítido.”, disse Jane Rigby, cientista do projeto de operações Webb no Goddard Space Flight Center da Nasa em Greenbelt, Maryland.

Em órbita

Em comparação, o telescópio anterior ao Webb, o famoso Hubble, orbita a Terra a 544 km de distância, completando uma volta ao planeta a cada 90 minutos. A órbita espacial do novo telescópio da Nasa manterá alinhamento constante com o nosso planeta enquanto ambos circulam o Sol em sincronia. O instrumento pesa 6,3 mil quilos e é quase do tamanho de uma quadra de tênis quando fica com os painéis solares completamente abertos.

O equipamento só começará a transmitir observações científicas após o término total do processo de comissionamento, o que está previsto para ocorrer em julho. Durante esse período, além do alinhamento óptico de seus espelhos, o equipamento vem sendo regulado à temperatura prevista de operação: -380 graus Farenheit, ou cerca de -228 graus Celsius - considerada temperatura de criogenia.

Principal observatório de ciência espacial do mundo, o James Webb é considerado o sucessor do telescópio espacial Hubble, lançado em 1990. Ambos foram construídos para se observar o chamado Espaço Profundo. A diferença é que o James Webb é capaz de enxergar fenômenos em diferentes frequências do espectro de luz.

Quando estiver totalmente operacional, o Webb ajudará a resolver mistérios em nosso sistema solar, olhar além para mundos distantes em torno de outras estrelas e investigar as estruturas e origens misteriosas do universo. O telescópio é um programa internacional liderado pela Nasa em parceria com a com a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Agência Espacial Canadense.