• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Primeiro coração de porco transplantado em humano estava infectado

David Bennett, de 57 anos, sobreviveu dois meses após a cirurgia inédita realizada pela Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland (EUA), em janeiro
 (AFP/Foto)
(AFP/Foto)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 06/05/2022 17:53 | Última atualização em 06/05/2022 17:53Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O primeiro coração de porco geneticamente modificado transplantado em um ser humano apresentava um vírus suíno, de acordo com Bartley Griffith, que realizou o procedimento. David Bennett, de 57 anos, sobreviveu dois meses após a cirurgia inédita realizada pela Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland (EUA), em janeiro. Ainda é cedo para apontar qual foi a causa da morte do paciente e o papel do citomegalovírus suíno nela, destacou.

"Estamos começando a entender por que ele morreu", disse Griffith, em evento da Sociedade Americana de Transplante, no dia 20 de abril, segundo a revista do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, a MIT Technology Review. O cirurgião acredita que o "vírus" pode ter sido o "ator" que desencadeou "tudo isso".

O que dizem as últimas pesquisas científicas mais importantes? Descubra assinando a EXAME.

A sobrevida de dois meses de Bennett, de qualquer forma, é uma grande vitória para a medicina e para a ciência. Para comparação o primeiro humano a receber transplante de coração convencional em 1967, viveu mais 18 dias. Nos anos seguintes, a técnica foi melhorada e vem salvando milhares de vidas.

Ao Estadão, a Universidade de Maryland reforçou que a causa da morte ainda é estudada. A instituição apenas apresentou resultados preliminares em um evento científico. "A pesquisa continua averiguando várias causas potenciais. Entre essas causas potenciais está o estado avançado de insuficiência cardíaca do paciente antes do transplante", afirmou, em nota.

A Universidade declarou que não há evidências de que o vírus tenha causado uma infecção no paciente ou infectado quaisquer tecidos ou órgãos além do coração. Também disse que o porco doador foi criado em uma instalação projetada para evitar infecções, e que ele passou por diversas testagens - inclusive pouco antes do transplante.

Transferir vírus suínos inofensivos aos porcos para humanos e desencadear pandemias, por exemplo, sempre foi um temor dos pesquisadores do xenotransplante. Para que isso não ocorra, a edição genética é fundamental para inativá-los. Essas alterações também são importantes para evitar desencadear uma reação imunológica do organismo humano. O coração recebido por Bennett contava com dez genes modificados.

Segundo a revista do MIT, o citomegalovírus encontrado não é capaz de infectar células humanas, porém, pode estar associado a reações que prejudicam o órgão e o receptor. Estudos com babuínos mostraram que quando a presença do vírus era detectada, a sobrevida passava de mais de seis meses para poucas semanas.

Ao jornal americano The New York Times, Griffith contou que a equipe fazia exames frequentes para acompanhar a saúde do órgão e do paciente. Em um deles, 20 dias após o procedimento, pequenos sinais do vírus foram detectados. Passados mais 20 dias Bennett ficou gravemente doente, e testes subsequentes mostraram um aumento acentuado da presença do DNA viral. A empresa de biotecnologia americana Revivicor, que cedeu o órgão, ainda não se manifestou.

O paciente, porém, sabia que corria esse risco antes de fazer o procedimento. Bennett não tinha outra escolha. Com doença cardíaca terminal, ele havia sido considerado inelegível para o transplante convencional ou para receber bomba cardíaca artificial. "Era morrer ou fazer esse transplante", declarou o americano. "Sei que é um tiro no escuro, mas é minha última escolha", disse.

A Food and Drug Administration (FDA), agência americana similar à Anvisa, no fim de 2021, deu autorização emergencial para Bennett receber o coração suíno.

Avanço

O procedimento pelo qual Bennett passou, junto a alguns outros testes pré-clínicos, inauguraram uma nova fase na pesquisa dos xenotransplantes (entre espécies distintas). Ganha espaço na comunidade científica a compreensão de que vale a pena autorizar testes do tipo.

David Cooper, cirurgião do Hospital Geral de Massachusetts (EUA) e um dos pioneiros nas pesquisas de xenotransplantes, disse à revista Nature que está na hora de "irmos para as clínicas" para ver como esses órgãos se comportam em humanos. Por ora, um grupo específico de pacientes deve receber o órgão modificado: doentes em fase terminal, quando o transplante seja a única terapia viável.

O transplante de um porco comum cria rejeição hiperaguda, que exige explante imediato. Por isso, cientistas modificam geneticamente esses animais. A edição envolve "knockouts" (bloqueios) e "knock-ins" (adições) de genes.

O pesquisador pega células de porcos recém-nascidos, bloqueia os genes responsáveis pela produção dos açúcares que geram a rejeição e insere genes humanos para moderar a resposta imune do paciente. A célula modificada é introduzida em um óvulo sem núcleo (sem material genético).

A busca por "órgãos adicionais" tem por trás uma limitação dos transplantes homólogos: não há órgãos suficientes para quem precisa e milhares morrem nas filas de espera - o que deve aumentar com a tendência de envelhecimento populacional.