Ciência

Por que os respiradores viraram o ponto crítico no tratamento da covid-19

Os respiradores são necessários para pacientes graves com a covid-19, que causa dificuldade para respirar

Respirador: aparelho ajuda pacientes graves com Covid-19 a respirar (Hamilton Medical/Divulgação)

Respirador: aparelho ajuda pacientes graves com Covid-19 a respirar (Hamilton Medical/Divulgação)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 22 de março de 2020 às 13h11.

Última atualização em 30 de março de 2020 às 17h48.

Com a pandemia do novo coronavírus, causador da covid-19, a demanda por ventiladores de ar médicos, conhecidos como respiradores, disparou. A doença causa não só febre e tosse como também dificuldade para respirar. Por isso, pessoas contagiadas podem precisar de internação e passam a respirar com a ajuda de aparelhos.

Os respiradores são equipamentos médicos que ajudam as pessoas a respirar quando o sistema respiratório apresenta dificuldades de funcionar plenamente, como acontece com as pessoas que contraem a covid-19 e apresentam quadros clínicos graves. O que esses aparelhos fazem é levar o ar por um tubo na traqueia dos pacientes para os pulmões. Sem esse procedimento, os pacientes podem morrer.

A falta de respiradores já é uma realidade no mundo. A Itália, país que registra mais mortes por causa do novo coronavírus, já teve de escolher os pacientes que teriam acesso aos respiradores. A Coreia do Sul e a China tomaram medidas para testar um grande número de pessoas para a doença e obrigar a população a ficar em casa para conter a curva de crescimento de contágio, de modo a manter a capacidade de atendimento médico minimamente adequada à demanda. No entanto, países como o Brasil correm o risco de colapso do sistema de saúde por causa da falta de leitos e de respiradores. O Ministério da Saúde diz que 43.733 estão à disposição de pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde), informa o UOL.

A suíça Hamilton Medical, que lidera globalmente o setor de respiradores, produz, normalmente, 220 ventiladores por semana. Por causa do coronavírus, a empresa passará a fabricar 400 nas próximas semanas. Ou seja, serão 57 por dia ou dois por hora, mesmo para a líder do setor. Países como o Brasil já registram mais de 100 novos casos por dia e, considerando a taxa de letalidade de cerca de 3,7%, só o país já demandaria, pelo menos, quatro respiradores ao dia para pacientes graves.

Em entrevista à revista Americana Wired, Jens Hallek, presidente da companhia, explica que a produção desses equipamentos requer conhecimento específico e precisão na fabricação. “Essas máquinas são extremamente sensíveis e não têm apenas muitos componentes, mas há muito trabalho de software. Se um dos componentes não funcionar corretamente, toda a máquina para e não pode ser mais usada”, disse Hallek.

Diante da pandemia do novo coronavírus, a fabricante americana de dispositivos médicos Medtronic também anunciou que vai dobrar a capacidade de produção e fornecimento de ventiladores de respiração, que são equipamentos fundamentais para pacientes internados em razão da covid-19.

“Nenhuma companhia poderá atender totalmente à demanda global de sistemas de saúde”, afirmou, em nota, Bob White, presidente do grupo de terapias minimamente invasivas na Medtronic.

Empresas como GE Healthcare, Getinge e Philips também se comprometeram a aumentar a produção de dispositivos médicos para atender à necessidade global para oferecer cuidados médicos de qualidade aos pacientes contagiados pelo novo coronavírus.

O presidente global da Philips, Frans van Houten, disse na semana passada que a manufatura da empresa na China começa a se restabelecer e vai aumentar a produção de respiradores, equipamentos médicos de diagnóstico por imagem e monitores de saúde dos pacientes. “Estamos trabalhando em estreita colaboração com nossos fornecedores para garantir o fornecimento de materiais para alimentar nossas próprias fábricas e nossos fornecedores de produtos acabados”, disse o presidente da Philips em comunicado.

Até mesmo as montadoras estão interessadas em entrar na produção desses equipamentos, como é o caso das americanas GM, Ford e Tesla, das alemãs Volkswagen e Daimler e das italianas Ferrari e a Fiat Chrysler Automobiles – pelo menos durante a crise global de saúde pública.

No entanto, as montadoras de veículos ainda precisarão aprender os procedimentos necessários para produzir os respiradores e a eficácia delas na fabricação de equipamentos médicos não é possível de estimar, sendo que a relação entre carros e respiradores é tênue. Com uma vacina a um ano de distância nas estimativas mais otimistas (a vacina para o ebola levou cinco anos para chegar ao mercado), o distanciamento social ainda é a principal arma da humanidade contra a propagação do novo coronavírus.

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusFábricasMedicinaMontadorasSaúde

Mais de Ciência

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Meteoros de rastros do Halley podem ser vistos na madrugada de domingo

AstraZeneca admite efeito colateral raro da vacina contra covid-19

Mais na Exame