É seguro pedir delivery em tempos de coronavírus?

Infectologista ensina quais procedimentos de higiene são necessários para garantir um ambiente livre do vírus
 (Weera Thamoolles / EyeEm/Getty Images)
(Weera Thamoolles / EyeEm/Getty Images)
M
Marina Filippe

Publicado em 23/03/2020 às 18:14.

Última atualização em 23/03/2020 às 18:23.

Um estudo publicado na última semana na revista científica "New England Journal of Medicine" afirma que o novo coronavírus consegue sobreviver dias em superfícies. O tempo varia de acordo com cada material.

O vírus pode sobreviver, por exemplo, três dias no plástico e no aço inoxidável e 24 horas no papelão. Desse modo, algumas medidas de segurança e higiene precisam ser reforçadas ao receber uma entrega de restaurante ou supermercado.

"É seguro pedir delivery, mas assim que o alimento ou produto entra em casa a embalagem precisa ser imediatamente descartada", diz a Dra. Raquel Muarrek, infectologista da Rede D’or. Segundo ela, a medida de higiene deveria ser realizada inclusive antes da pandemia.

Se a embalagem foi posta na pia da cozinha, por exemplo, o local também deve ser desinfectado.

O cuidado muda conforme o tipo de alimento. "A manipulação dos alimentos cozidos ou fritos são melhores para a diminuição de contágio do que os crus", diz. "Não se sabe como uma salada foi manipulada e se teve a desinfecção adequada".

Para priorizar a segurança dos clientes e dos entregadores, empresas como Rappi, iFood e Domino’s anunciaram a entrega sem contato, na qual o entregador deixa o produto, toma distância de pelo menos um metro e espera a retirada pelo cliente.

Para a Dra. Muarrek, a entrega sem contato não é necessária porque, de todo modo, o cliente e o entregador deve priorizar a higienização imediata das mãos com água e sabão ou com álcool gel.

"O importante é não levar as mãos ao rosto. O mesmo vale após encostar em maçanetas, elevadores e portões, por exemplo".

A pandemia de COVID-19, doença causada pelo novo coronavírus, impulsiona os serviços de entrega. A startup colombiana Rappi, que opera em 60 cidades, calcula aumento de 30% no número de pedidos na América Latina quando comparado aos dois primeiros meses de 2019.

O delivery é também uma saída para restaurantes como McDonald's e Burger King, que decidiram fechar seus salões. Para os clientes, a entrega em casa é também opção de isolamento social, visto que evita idas aos supermercados.