Ciência

Conselho Federal de Medicina libera telemedicina para conter coronavírus

Medida é em caráter de excepcionalidade devido à pandemia do novo coronavírus que afeta o Brasil

Coronavírus: médicos poderão atender à distância (Getty/Getty Images)

Coronavírus: médicos poderão atender à distância (Getty/Getty Images)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 19 de março de 2020 às 19h43.

Última atualização em 30 de março de 2020 às 20h27.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovou, nesta quinta-feira (19), em caráter de excepcionalidade, o uso de telemedicina para atendimento de pacientes diante da pandemia do novo coronavírus, que afeta o Brasil e mais de 160 países no mundo. A medida vale apenas enquanto durar o combate à Covid-19. A informação foi confirmada pelo CFM à EXAME.

Será possível que médicos atuem realizando teleorientação (para orientar e encaminhar pacientes em isolamento), telemonitoramento (monitoramento de condições de saúde de pacientes) e teleinterconsultas (troca de informações entre médicos). Com isso, as pessoas não precisarão sair de casa para se consultar, o que pode minimizar os efeitos da epidemia no Brasil.

Em fevereiro de 2019, o Conselho chegou a aprovar e revogar em cerca de 20 dias uma legislação para a telemedicina que previa que a primeira consulta fosse presencial, o que impedia o acesso a médicos em regiões remotas do país. Desde então, o CFM passou por eleições e a pauta não avançou.

Ainda assim, uma legislação antiga, de 2002, ainda permite o uso de áudio e vídeo no atendimento de pacientes à distância.

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusMedicina

Mais de Ciência

Ozempic reduz risco de morte para pessoas com diabetes, revela estudo

Einstein estava certo sobre a gravidade em buracos negros, diz estudo

'Saquinho' de nicotina ganha adeptos para perda de peso

Usuários do Wegovy mantêm perda de peso por quatro anos, diz Novo Nordisk

Mais na Exame