Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Como reagem as células que recebem a vacina da covid-19?; veja imagens

Grupo de pesquisa de Oxford capturou imagens para mostrar como as proteínas das espículas do coronavírus reagem na presença da vacina

Uma nova pesquisa feita por cientistas da Universidade de Oxford e a Universidade de Southampton observou proteínas das espículas do novo coronavírus que foram expostas à vacina da Oxford com a AstraZeneca para criar imagens de como elas reagem no corpo humano.

As proteínas espiculares são os "espinhos" do SARS-CoV-2 que dão ao vírus uma espécie de coroa ao seu redor. São elas que se ligam ao receptor ACE2 dentro do corpo e ficam alterando de forma, permitindo que o vírus combine suas membranas com as das células da pessoa e, consequentemente, a infectem. Elas também são revestidas por açúcares, ou glicanas, que disfarçam as proteínas virais para proteger o sistema imunológico. 

Já a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford com a AstraZeneca é vetorizada pelo adenovírus, que "adiciona" informações de parte de um patógeno, nesse caso das proteínas espículares do SARS-CoV-2, em uma versão segura de um vírus, gerando anticorpos neutralizantes contra o alvo.

O grupo de pesquisa comparou imagens das proteínas espiculares que foram expostas à vacina com as originais do coronavírus. O que eles perceberam foi que as espículas são muito semelhantes e apoiam o adenovírus presente. Esta é uma característica essencial da vacina, porque significa que ela pode fornecer simulações aproximadas do coronavírus que são importantes no desencadeamento da resposta imune necessária.

Publicado na revista ACS Central Science, o estudo utilizou uma técnica de imagem conhecida como microscopia crioeletrônica (cryoEM), na qual é possível capturar milhares de imagens e combiná-las para construir um produto final e mais detalhado. "CryoEM é uma técnica imensamente poderosa que nos permitiu visualizar a densa matriz de espículas apresentadas na superfície das células", disse o professor Peijun Zhang da Universidade de Oxford, que liderou o estudo.

O professor Crispin disse: "Neste estudo, pretendemos ver quão próximos as espículas induzidas pela vacina se assemelham aos do vírus infeccioso. Ficamos realmente satisfeitos em ver uma grande quantidade de espículas semelhantes aos nativos", comenta o professor Max Crispin, que liderou o trabalho na Universidade de Southampton.

Veja as imagens:

As cores presentes representam a quantidade de glicanas, responsáveis por proteger o sistema imunológico ao disfarçar as proteínas virais, em cada proteína espicular: verde (80-100%); laranja (30-79%); roxo (0-29%) e cinza (não detectado).

Imagens das proteínas das espículas na superfície de células expostas à vacina, renderizadas por um artista. Imagem das proteínas das espículas na superfície de células expostas à vacina, renderizada por um artista

Imagem das proteínas das espículas na superfície de células expostas à vacina, renderizada por um artista (University of Southampton/Reprodução)

Imagem das proteínas das espículas, renderizada por um artista Imagem das proteínas das espículas, renderizada por um artista

Imagem das proteínas das espículas, renderizada por um artista (University of Southampton/Reprodução)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também