Por que um suéter de cashmere pode custar US$ 2.000 ou US$ 30?

Preço depende de vários fatores, entre eles a qualidade da lá e o local onde a peça foi produzida

Um suéter liso, mas trabalhado meticulosamente, feito do melhor cashmere do mundo pode custar US$ 2.000 ou mais se vendido por grifes de luxo como a Loro Piana. Ao mesmo tempo, é possível conseguir por apenas US$ 29,90 um suéter simples, 100 por cento de cashmere, na estante de ofertas da Uniqlo.

Feito com a lã mais macia produzida por certas raças de cabras, como a cabra branca Zalaa Ginst e a cabra do Planalto do Tibete, o cashmere antes era reservado aos seguidores da moda mais ricos. (A esposa de Napoleão Bonaparte ajudou a popularizar a lã). Mas nas últimas duas décadas, seu prestígio disparou e as roupas mais baratas inundaram o mercado.

Foram exportados quase US$ 1,4 bilhão em roupas de cashmere em todo o mundo em 2016, contra US$ 1,2 bilhão em 2010, segundo dados de comércio da Organização das Nações Unidas. São quase 5.000 toneladas de pulôveres, cardigãs e outros itens. Agora, os produtos feitos com essa lã parecem estar em todo lugar com preços para todos os bolsos. A onipresença pode gerar problemas para um produto, que acaba parecendo uma commodity, especialmente no caso de uma lã historicamente comercializada como item de luxo.

Mas então o que torna um suéter melhor do que outro? O preço depende da qualidade da lã, do local de fabricação da peça, do número de unidades compradas pela marca e da margem de lucro.

A qualidade da matéria-prima costuma ser o mais importante. As fibras de cashmere mais compridas mantêm a integridade por mais tempo, permitindo que as roupas mantenham a estrutura. O pilling -- as bolinhas que se formam na lã com o desgaste -- é mais comum em roupas feitas de fios mais curtos de cashmere. Hoje em dia, os fabricantes muitas vezes produzem roupas a partir de uma mescla de comprimentos para equilibrar qualidade e custo.

Ocasionalmente, até cashmere falso chega às prateleiras das lojas. “Com certeza existe fraude nesse mercado”, diz Frances Kozen, diretora do Instituto Cornell para a Moda e a Inovação nas Fibras. Comerciantes fraudulentos, e às vezes falsificadores, criam misturas de cashmere rotulados como 100 por cento cashmere que na verdade são feitas de lã, raiom de viscose e acrílico -- e possivelmente até pele de rato, afirma.

O setor tenta recuperar a reputação do tecido educando os consumidores sobre a origem do cashmere. A marca de cashmere Naadam garante aos clientes que usa apenas as fibras mais longas e que isso faz com que as peças durem mais. A marca divulga suas práticas sustentáveis de pastagem e de ausência de produtos químicos e alvejantes. Os suéteres da Naadam não são baratos, a preços de US$ 125 a US$ 225, por isso a marca precisa mostrar aos compradores por que merece o investimento.

“O cashmere ainda significa muito para as pessoas, apesar de muitas marcas terem degradado o significado de muitas palavras”, diz Shilpa Shah, cofundadora da marca de roupas e acessórios Cuyana. Os suéteres de cashmere da marca são fabricados na Escócia e na Itália e custam US$ 155 a US$ 495. Eles não têm a qualidade do que se pode encontrar em grifes com preços muito mais elevados, mas Shah insiste em que chegam perto.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.