Por que a seleção brasileira pode não jogar a Copa América no Brasil

Segundo jornal espanhol, jogadores teriam decidido pelo boicote com receio de serem vistos como insensíveis pelo público; reunião com presidência da CBF teve clima tenso

Após a polêmica sobre o Brasil sediar a Copa América na iminência de uma terceira onda de covid-19 no país, jogadores da seleção brasileira decidiram, entre si, não participar do torneio, de acordo com o jornal espanhol As. Segundo a publicação, a confirmação da realização do campeonato no Brasil causou espanto e indignação nos jogadores que atuam na Europa, que disseminaram a ideia para o restante da equipe.

Os jogadores se preocupam de serem vistos como insensíveis por disputarem uma competição que, segundo eles, dado o cenário de lentidão na vacinação e um alto número de casos e mortes em todo o continente, poderia ser adiada. O calendário da competição, há um ano da Copa do Mundo e em meio às eliminatórias, considerada por eles como mais importante, também foi usado como argumento para o boicote.

O técnico Tite chegou a confirmar à imprensa as discussões com os jogadores sobre o assunto, mas afirmou que só deve se posicionar publicamente sobre a questão após o jogo com o Equador, pelas eliminatórias da Copa do Mundo, que acontece nesta sexta, 4, às 21h (horário de Brasília). A Copa América está prevista para começar no próximo dia 13, em Brasília, com um jogo entre Brasil e Venezuela.

“Temos uma opinião muito clara e fomos lealmente, numa sequência cronológica, eu e Juninho, externando ao presidente qual a nossa opinião. Depois, pedimos aos atletas para focarem apenas no jogo contra o Equador. Na sequência, solicitaram uma conversa direta ao presidente. Foi uma conversa muito clara, direta. A partir daí, a posição dos atletas também ficou clara", disse Tite durante uma coletiva de imprensa. "Temos uma posição, mas não vamos externar isso agora. Temos uma prioridade agora de jogar bem e ganhar o jogo contra o Equador. Depois desses dois jogos, vou externar a minha posição."

Segundo rumores, o clima do encontro dos jogadores com Rogério Caboclo, presidente da CBF, teria sido tenso, com Caboclo chegando a pedir a demissão do coordenador da seleção, Juninho Paulista, por sua suposta "incapacidade de controlar o movimento dos jogadores". Avisado antes da reunião sobre a posição dos jogadores, o presidente imaginou que pudesse contornar a situação, mas o tratamento dos jogadores como subordinados acabou por piorar o clima.

Pelo menos 21 dos 24 convocados por Tite para a Copa América atuam no exterior. Informações dão conta de que os brasileiros estariam em contato com jogadores e técnicos de outras seleções, que também são contra a realização da competição em meio à pandemia. Até mesmo o argentino Lionel Messi teria se posicionado nesse sentido com a AFA, a equivalente da CBF na Argentina — que foi o segundo país a se recusar a sediar o evento.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também