Acompanhe:

Patties: conheça hamburgueria que fatura R$ 55 milhões sem pensar em lucro

Mesmo com expansão, empresa mantém CEO para responder o Instagram, fornecedores pequenos e produção diária dos produtos

Modo escuro

Continua após a publicidade
 (Patties/Divulgação)

(Patties/Divulgação)

G
Gabriel Aguiar

Publicado em 22 de março de 2022 às, 16h54.

Última atualização em 23 de março de 2022 às, 14h12.

Há quem pense que a estratégia da hamburgueria Patties é totalmente focada no lucro – afinal, os lanches menores, inspirados na receita criada há 101 anos pela rede norte-americana White Castle, são praticamente um convite para dobrar o pedido. Mas, por outro lado, a empresa vai totalmente contra um dos princípios do fast-food: os fornecedores são pequenos e os custos elevados.

Descubra qual MBA melhor se encaixa ao seu perfil e comece agora.

“Já tive reuniões com investidores que não conheciam a gente, não curtiam hamburguer e diziam: ‘Moleque aí é inteligente, porque fez o hambúrguer pequenininho e o cliente gasta mais’. Só que a gente não pensou nisso. E nem é nossa intenção. Em outros restaurantes, a fatia de queijo custa 20 centavos. Para nós, sai a 1,70 real. Nosso produto é muito caro e vender dois lanches não aumenta margem”, diz Henrique Azeredo, sócio-fundador do Patties e que está à frente da operação.

No caso do queijo, há dois produtores, de Minas Gerais e Santa Catarina, mas o blend é elaborado na própria hamburgueria diariamente – onde também são cortadas as batatas compradas in natura. E até mesmo a carne utilizada vem de açougue. Todos os fornecedores e receitas são exatamente os mesmos desde a criação da hamburgueria, há quase três anos, o que também acaba criando certa vulnerabilidade para variações de preço, principalmente com a inflação dos últimos meses.

Nós estamos atrelados aos pequenos comerciantes, que foram muito afetados pelos aumentos dos preços. Minha carne, por exemplo, custava 17 reais o quilo e agora sai a mais de 37 reais. Se fossem empresas maiores, conseguiriam manter os preços. Só que eles [os fornecedores] têm de repassar a inflação na hora, enquanto eu não posso mudar os valores para os clientes todas as vezes”.

Toda a embalagem foi pensada para se destacar, inclusive pelo papel de cor branca (Patties/Divulgação)

Mesmo com essas dificuldades para fazer a conta fechar, o autointitulado “´pai biológico do Patties” – inclusive, é assim que identifica a própria função no LinkedIn e no Instagram, por exemplo, em vez de se definir como CEO – não mudou a receita ou os produtos que são utilizados desde o começo da hamburgueria. Neste período, também se recusou a fazer parceria com outras empresas pelo direito à exclusividade, como Coca-Cola e aplicativos de delivery como Rappi e iFood.

“Eu acredito que, quem faz downgrade do produto, uma hora, acaba pagando por isso. Não adianta fazer mudanças para tentar manter o preço, porque os clientes percebem. Quando existe essa busca por resultados a qualquer custo, acho que o próprio negócio perde sentido. E não tenho essa pegada louca por grana. Por isso nunca fechei contrato com a Coca-Cola, apesar de amar eles, porque senão cobram logotipo no post das redes sociais, contrapartidas, e eu odeio esse tipo de coisas”.

Mesmo assim, o Patties vendeu aproximadamente 2,3 milhões de hambúrgueres no ano passado, o que foi suficiente para garantir faturamento de 55 milhões de reais, somando os resultados das lojas e do delivery – que conta com sete dark kitchens, além dos três restaurantes abertos ao público. E a meta é bater 70 milhões de reais de faturamento em 2022, após estrear no Rio de Janeiro.

“No meu business plan, o break even [quando a receita é suficiente para pagar os custos] era de 50 hambúrgueres por dia. Com 100 lanches vendidos, eu era o cara mais feliz do mundo. E com 150, eu teria estourado e dominado o mundo. Eu comecei com 40 mil reais, que era tudo que eu tinha, mas depois tive de pedir 20 mil à minha esposa, 20 mil à minha madrinha e 20 mil à minha mãe”.

Com o crescimento, a hamburgueria também assumiu imóvel ao lado da primeira loja, no bairro paulistano do Brooklin (Patties/Divulgação)

Para fazer a única chance dar certo, o “pai biológico do Patties” ficou um ano estudando quais eram as tendências do mercado – com cobranças da família, porém, apoiado pela esposa, que se tornou a única fonte de renda do casal. Apostou no low-cost, que define como não necessariamente barato, mas como a percepção de preços justos; no minimalismo, que reduz as opções do cardápio para não sobrecarregar a clientela constantemente estressada; e em desacelerar na hora de comer.

“Eu trabalhei dez anos como marketing em shoppings centers, mas depois entendi que o meu perfil não batia com as empresas tradicionais. E o pessoal falava: ‘Ah, o Henrique doidinho e as ideias dele. Volta para a Terra’. Percebi que meu propósito é fazer hamburguer. É ridículo, eu sei. Mas senti que nasci para isso, mesmo que fosse chapeiro. Comecei a mandar mensagem para hamburguerias para entender o processo e nem eles sabiam. Foi quando percebi que fazer com amor daria certo”.

Mesmo com as dimensões que o Patties já tomou, é o próprio sócio-fundador quem responde maior parte das mensagens que a empresa recebe pelo Instagram – mesmo que, para isso, fique acordado até 4h30 da manhã. Vale até passar o celular pessoal para falar diretamente com os clientes. E, para Henrique Azeredo, é essa relação sincera que faz a diferença e que rendeu fãs à hamburgueria.

“Quando eu trabalhava em shopping, via que o pessoal mandava respostas-padrão para os clientes. Eu não sentiria que a empresa estava sendo sincera comigo. Pelo menos quando sou o consumidor, vejo que as empresas não são verdadeiras. E, para mim, o CEO tem que estar no Instagram e estar à frente para entender tudo o que está acontecendo de errado e mandar a real para os clientes”.

Fundador se dedicou por um ano a estudar tendências de consumo antes de abrir a hamburgueria (Patties)

Para o “não-executivo”, o exemplo disso foi quando um cliente xingou nas redes sociais que recebeu um lanche de frango – opção que sequer é vendida pelo Patties. Depois de pedir uma foto, Henrique percebeu que eram nuggets do McDonald’s e foi atrás para entender o que aconteceu. Depois desse episódio, também prometeu que ele seria o primeiro a receber o futuro hamburguer de frango.

“Descobri que uma funcionária tinha montado o lanche para almoçar e mandou sem querer para a entrega. Eu já trabalhei em empresa e sei o pavor que é aquele sentimento de ‘puts, fiz m*rda’. Me lembro exatamente como é esse medo. Só conseguia imaginar que ela devia estar muito mal e falei para relaxar. Contei para o cliente e deu tudo certo, sem ela precisar sofrer nenhuma retaliação”.

E é justamente essa proximidade do especialista em marketing (e apaixonado pelos hamburgueres) que rendeu algumas das principais ações do Patties, como a primeira homenagem oficial no mundo ao Whitle Castle; a edição do Bob Esponja; e, agora, os lanches especiais inspirados no Chaves –, além uma inédita parceria, que será revelada em breve, com ações que incluem uma rede de fast-food.

Henrique Azeredo (centro), ao lado dos sócios Greigor Caisley (esq.) e Jean Ponce (dir.) (Patties/Divulgação)

“Sempre pensei: é melhor ter 15 lojas ou três e fazer uma ação com o Chaves? Eu não ligo [em crescer]. E sei que a gente poderia estar muito maior, mas não ligo mesmo. Quando percebo que a gente fez o lanche do Siri Cascudo, com direito ao Balde de Lixo [ambas referências do desenho Bob Esponja] de brinde, eu vejo que tudo valeu a pena. No fim das contas, a gente perdia dinheiro a cada lanche vendido. Mas não se trata de números. São essas ações que fazem a gente ser quem a gente é”.

Últimas Notícias

Ver mais
Restaurantes paulistanos criam pratos com queijos participantes do Mundial do Queijo do Brasil
Casual

Restaurantes paulistanos criam pratos com queijos participantes do Mundial do Queijo do Brasil

Há 11 horas

Com influenciadores e executivos, Gramado Summit começa nesta quarta-feira; veja programação
seloCarreira

Com influenciadores e executivos, Gramado Summit começa nesta quarta-feira; veja programação

Há 18 horas

3º Mundial do Queijo do Brasil: evento em São Paulo terá prêmios, feira e degustações
Casual

3º Mundial do Queijo do Brasil: evento em São Paulo terá prêmios, feira e degustações

Há um dia

TCU vê riscos em projetos sobre IA que podem prejudicar capacidade de inovação
Brasil

TCU vê riscos em projetos sobre IA que podem prejudicar capacidade de inovação

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais