Casual

Conheça a tendência do design italiano e aposta da Dolce & Gabbana

O aspecto mais interessante dos itens apresentados era, sem dúvida, a diversidade. De cores, texturas, formas e narrativas. Em comum todos carregavam um estilo “Dolce” de ser

A iniciativa de Domenico Dolce e Stefano Gabbana, espécie de mecenas do mundo atual, contou com a curadoria de Federica Sala (Divulgação/Divulgação)

A iniciativa de Domenico Dolce e Stefano Gabbana, espécie de mecenas do mundo atual, contou com a curadoria de Federica Sala (Divulgação/Divulgação)

Camila Lima
Camila Lima

Jornalista

Publicado em 22 de abril de 2024 às 13h03.

Tudo sobreDecoração
Saiba mais

A iniciativa lançada por Marva Griffin, criadora e fundadora do Salone Satellite, parte integrante do Salão Internacional do Móvel, destinado a revelar os novos talentos do design vindos de universidades do mundo todo, completou neste ano de 2024 seu 25º aniversário. E sem dúvida lançou no setor uma ideia que ultrapassou os muros da Rho Fiera, onde anualmente acontece o evento. Hoje esta também é a estratégia, ou talvez a fórmula de sucesso,  por trás dos lançamentos da linha home dos grandes labels de luxo da moda.

A Dolce & Gabbana, por exemplo, foi uma das marcas a mergulhar fundo nessa ideia.

Pela segunda vez consecutiva apresentou durante o Fuorisalone, evento que acontece em paralelo ao Salone, pelas ruas de Milão, o Gen D - Designer Generation. Um projeto composto por 11 artistas, com menos de 40 anos. Todos vindos de países com pouca tradição no concorrido ramo do design de mobiliário. E convidados pela grife  italiana a criar peças capazes de celebrar a diversidade cultural através da linguagem universal do design.

A iniciativa de Domenico Dolce e Stefano Gabbana, espécie de mecenas do mundo atual, contou com a curadoria de Federica Sala. Marcaram a mostra, exposta numa galeria na Via Giuseppe Brogui, o trabalho de jovens da África do Sul, China, México, Áustria, Coreia do Sul e Singapura, entre outros.

O aspecto mais interessante dos itens apresentados era, sem dúvida, a diversidade. De cores, texturas, formas e narrativas. Em comum todos carregavam um estilo “Dolce” de ser. O segredo do encontro estava justamente no mix harmônico entre estes dois universos, resultando em poltronas, lustres, vasos e mesas criados também a partir de um mix de técnicas artesanais. Algumas delas inéditas, enquanto outras,“tradicionais” em seus países de origem. Ambas, entretanto, sempre mescladas a métodos de produção artesanal italianos já consagrados. Um verdadeiro show de cores, estampas e texturas. E, acima de tudo, de uma marca hoje tão italiana quanto universal.

Acompanhe tudo sobre:DecoraçãoModaMilãoDolce & Gabbana

Mais de Casual

O barulho da Kenner: com Anitta e ‘passinho’, marca de sandálias quer conquistar os EUA

Como ecolher um bom vinho — e de quais 'ficar longe', segundo sommelier

Guia Michelin: 21 restaurantes do Rio de Janeiro e de São Paulo ganham estrelas; confira

Com mais de mil modelos de sapatos, marca paranaense inaugura primeira loja em São Paulo

Mais na Exame