Casual
Acompanhe:

Final do BBB: Saiba o que Paulo André deve fazer após o reality show

Carlos Camilo, pai do velocista, confia que ele voltará ao esporte, conforme combinado antes do confinamento; PA ainda não tem índice para Mundial, em julho

 (Instagram/Reprodução)

(Instagram/Reprodução)

A
Agência O Globo

Publicado em 26 de abril de 2022, 08h45.

O carismático Paulo André, que se despede do BBB nesta terça-feira em busca do título e do prêmio milionário para o campeão, voltará a ser o atleta Paulo André Camilo muito em breve. Pelo menos essa foi a promessa feita a seu pai e treinador, Carlos, antes do confinamento. O futuro ex-brother o fará, porém, de um patamar inédito de visibilidade na carreira e com a necessidade de dar uma resposta quase imediata nas pistas em virtude do tempo dedicado ao programa.

VEJA TAMBÉM

Paulo André se torna segundo velocista mais seguido do mundo no Instagram

"Não sei como está a cabeça dele. Mas, pelo que eu o conheço, porque sou pai, técnico e amigo, ele reage rápido ao treinamento, conhece o corpo e fez , na medida do possível, treinos durante o programa. Tenho certeza de que a promessa será mantida", aposta Carlos, que, antes de pegar no pé do filho nas pistas, deseja curti-lo: "Vou abraçar, beijar... Só depois é que vamos sentar, apenas a família, para opinar o que é melhor para ele. O Paulo André é quem vai traçar seu futuro".

A frase é uma cutucada em Basílio de Moraes, ex-atleta e empresário do velocista. Foi ele quem o incentivou a entrar no BBB, mesmo contrariando a vontade do pai. Hoje, Carlos Camilo se diz feliz e orgulhoso com o desempenho do filho na casa.

Basílio e mais seis profissionais cuidaram da imagem do atleta enquanto o programa rolava na TV. Reformularam seus perfis nas redes e fizeram mutirões de votação para que ficasse no jogo. O BBB foi encarado como uma oportunidade de bombar as mídias pessoais e, no fim, ganhar dinheiro e popularidade.

Em parte, já deu certo: PA entrou na casa com 78 mil seguidores no Instagram. Até o fechamento desta edição, esse número havia saltado para mais de 7,6 milhões. Assim, ele ultrapassou nomes importantes do atletismo, entre eles diversos campeões olímpicos e mundiais, e passou a sonhar alcançar o patamar da lenda jamaicana Usain Bolt, que acumula 11,3 milhões de fãs na mesma rede social.

"Nem se o Paulo André fosse medalhista de ouro dos Jogos Olímpicos conseguiria se manter em evidência na TV aberta, em horário nobre, por três meses seguidos. Ou seja, ele conseguiu uma exposição que o atletismo nunca o teria dado. E uma exposição muito positiva", analisa Erich Beting, professor e consultor de marketing esportivo.

Para Paulo André marcar sua volta às pistas, é essencial que dispute o evento mais importante do ano: o Mundial de Eugene, em Oregon (EUA), de 15 a 24 de julho.

Campeão com o 4x100m no Mundial de Revezamento de Yokohama, no Japão, e no Pan-Americano de Lima, no Peru, ambos em 2019, além de semifinalista dos 100m em Tóquio no ano passado, o brother ainda não tem índice para esta competição. O período para a obtenção da marca começou em 27 de junho de 2021 e vai até o dia 26 de junho de 2022. Ele precisa correr 10s05, índice forte e estabelecido pela World Athletics. E pode obtê-lo em qualquer competição oficial.

A última chance será no Troféu Brasil, de 23 a 26 de junho, no Rio. PA tem como melhor marca homologada 10s02, de setembro de 2018.

"Pode não entregar este ano, mas no ano que vem entrega. PA é sinistro, e não duvidem do que pode apresentar agora mesmo", avisa Carlos Camilo, que tratou o período de confinamento como se fosse o de uma lesão.

O patriarca lembra que lesões de gravidade média a alta custam três a quatro meses de treinos. E que, independentemente do BBB, PA não costuma competir antes de março, especialmente em anos de Mundiais Indoor. Em 2018, por exemplo, só estreou em abril.

Ele já havia decidido ficar fora do Mundial na Sérvia, em março, mesmo com índice para os 100m (10s07, em abril de 2021). Também ficou fora do Sul-Americano, em fevereiro, na Bolívia, para o qual foi convocado para os 60m pela Confederação Brasileira de Atletismo.

"Independentemente do resultado, PA foi o vencedor", opina Bernardo Pontes, sócio da Alob Sports, empresa especializada em conectar atletas e personalidades a marcas. "O BBB é uma aposta. Pode-se sair como fenômeno ou cancelado. Muitos acharam que ele era maluco, mas ele mostrou humildade, carisma e competitividade. Foi sincero, amigo e emotivo. Em Paris-2024, talvez o PA seja o maior atleta olímpico do Brasil. O país vai junto com ele agora".

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.

Últimas Notícias

ver mais
Virada digital em tempos de crise
Casual

Virada digital em tempos de crise

Há menos de um minuto • 1 min de leitura
Três cafeterias para conhecer em Bogotá
Casual

Três cafeterias para conhecer em Bogotá

Há menos de um minuto • 1 min de leitura
Ludmilla é a nova embaixadora de Havaianas no Brasil
Casual

Ludmilla é a nova embaixadora de Havaianas no Brasil

Há menos de um minuto • 1 min de leitura
icon

Brands

ver mais

Uma palavra dos nossos parceiros

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais