Corrida pelas plantas: empresa sueca de leite vegetal prepara IPO nos EUA

Investidores buscam maneiras de replicar o sucesso da Beyond Meat, cujas ações subiram mais de 300% desde que abriu o capital em maio de 2019
 (Oatly oat milk/Divulgação)
(Oatly oat milk/Divulgação)
A
Agnieszka de Sousa e Deena Shanker - BloombergPublicado em 19/05/2021 às 07:00.

A demanda de consumidores por alternativas à base de plantas é alta, e a Oatly Group, fabricante de comida e bebida vegana, busca aproveitar a onda.

Esta semana, quando a produtora sueca de leite de aveia e alternativas não lácteas finalmente realizar sua oferta pública inicial nos Estados Unidos, investidores terão que medir não apenas a popularidade de seus produtos, mas o quanto ainda podem crescer em um mercado cada vez maior e mais disputado.

“Há muitos produtos competindo no mercado alternativo aos laticínios. Há aveia e soja, leite de amêndoas, leite à base de nozes. Há muitas opções”, disse Mark Lynch, sócio da Oghma Partners, uma consultoria em finanças corporativas especializada no setor de alimentos e bebidas. Ainda assim, o IPO da Oatly “reflete a maturidade e o poder de permanência do negócio à base de plantas. Também destaca que não é apenas uma moda passageira.”

O IPO da Oatly, uma de pelo menos 10 ofertas públicas iniciais originalmente esperadas para esta semana nos EUA, busca levantar até US$ 1,65 bilhão. A empresa não quis comentar antes da oferta.

Além das comparações

Seu valor de mercado seria de US$ 10,1 bilhões no topo da faixa do preço-alvo do IPO, de acordo com cálculos da Bloomberg, o que seria equivalente a 7,1 vezes a receita prevista para 2022, segundo uma pessoa a par do assunto que pediu anonimato. Enquanto várias empresas estão focadas em alternativas mais saudáveis aos produtos alimentícios tradicionais, poucas operam como companhias de capital aberto, o que dificulta comparações.

O IPO destaca a expansão dos produtos à base de plantas, à medida que preocupações ambientais e de saúde estimulam consumidores a buscarem alternativas para a carne tradicional e produtos lácteos. Investidores buscam maneiras de replicar o sucesso da Beyond Meat, cujas ações subiram mais de 300% desde que abriu o capital em maio de 2019.