• AALR3 R$ 20,18 -0.59
  • AAPL34 R$ 67,14 -0.25
  • ABCB4 R$ 17,01 -1.90
  • ABEV3 R$ 14,05 -0.64
  • AERI3 R$ 3,76 1.62
  • AESB3 R$ 10,69 -0.09
  • AGRO3 R$ 30,85 0.03
  • ALPA4 R$ 20,63 -0.53
  • ALSO3 R$ 19,35 1.31
  • ALUP11 R$ 26,96 1.35
  • AMAR3 R$ 2,45 0.41
  • AMBP3 R$ 30,58 0.13
  • AMER3 R$ 23,12 0.13
  • AMZO34 R$ 67,67 1.12
  • ANIM3 R$ 5,47 -0.73
  • ARZZ3 R$ 81,63 0.53
  • ASAI3 R$ 15,75 1.94
  • AZUL4 R$ 21,53 1.37
  • B3SA3 R$ 12,11 2.54
  • BBAS3 R$ 36,80 3.08
  • AALR3 R$ 20,18 -0.59
  • AAPL34 R$ 67,14 -0.25
  • ABCB4 R$ 17,01 -1.90
  • ABEV3 R$ 14,05 -0.64
  • AERI3 R$ 3,76 1.62
  • AESB3 R$ 10,69 -0.09
  • AGRO3 R$ 30,85 0.03
  • ALPA4 R$ 20,63 -0.53
  • ALSO3 R$ 19,35 1.31
  • ALUP11 R$ 26,96 1.35
  • AMAR3 R$ 2,45 0.41
  • AMBP3 R$ 30,58 0.13
  • AMER3 R$ 23,12 0.13
  • AMZO34 R$ 67,67 1.12
  • ANIM3 R$ 5,47 -0.73
  • ARZZ3 R$ 81,63 0.53
  • ASAI3 R$ 15,75 1.94
  • AZUL4 R$ 21,53 1.37
  • B3SA3 R$ 12,11 2.54
  • BBAS3 R$ 36,80 3.08
Abra sua conta no BTG

Mais bem pago do mercado, trainee do Safra deve ter este perfil

Com salário de 6,8 mil reais, programa de trainee do Banco Safra é um dos mais concorridos do país. Veja como ingressar no seleto grupo dos aprovados
 (Bloomberg/Dado Galdieri)
(Bloomberg/Dado Galdieri)
Por Claudia GaspariniPublicado em 24/10/2017 06:00 | Última atualização em 24/10/2017 06:00Tempo de Leitura: 5 min de leitura

São Paulo — Com salário de 6.800 reais por mês, os trainees do Banco Safra são os mais bem remunerados do Brasil, segundo o site Love Mondays. A empresa paga mais que o dobro da remuneração média para a função no país, que gira em torno de 3,1 mil reais.

Os benefícios ainda incluem participação nos lucros e nos resultados como adicional ao salário e ao 13º, além de um incentivo de 20 mil reais se o jovem é aprovado no programa, que é um dos mais buscados (e concorridos) do mercado.

No entanto, a robusta contrapartida financeira não é o único atrativo do programa, afirmam fontes oficiais do banco em entrevista ao site EXAME.

A interação direta, constante e permanente com executivos do banco e o sistema personalizado de job rotation também ajudam a atrair milhares de candidatos todos os anos.  

Para se diferenciar dessa concorrência massiva, é preciso ter, nas palavras da empresa, “uma ótima formação acadêmica, alguma experiência profissional e muita iniciativa”.

Uma grande variedade de cursos é aceita: administração, arquitetura, ciências atuariais, ciências contábeis, direito, economia, engenharia, estatística, física, psicologia, relações internacionais, matemática, sistemas de informação e ciências da computação são alguns exemplos.

"Pedigree" da faculdade não é decisivo

Embora a solidez da formação acadêmica seja um fator essencial para se dar bem na seleção, o “pedigree” da faculdade não importa tanto. “A instituição em que o candidato estudou é uma referência forte, mas não a única”, diz o Safra.

De forma mais ampla, o desempenho no curso, sua vivência em estágios ou empregos efetivos, bem como sua postura nas dinâmicas de grupo e entrevistas presenciais compõem a escolha dos finalistas.

Ter uma pós-graduação no currículo, completa ou não, integra o processo de decisão, mas não é considerado decisivo para a escolha. O mesmo vale para experiências internacionais: elas são vistas como um dado relevante no conjunto de experiências do candidato, mas não configuram um fator restritivo para o processo de seleção.

O candidato deve ter, no mínimo, nível intermediário de inglês, mas o banco afirma que “quanto mais preparado [no idioma] estiver o candidato, maior a oportunidade de ser selecionado”.

Já as competências comportamentais mais decisivas para a aprovação são comprometimento, resiliência, adaptabilidade e dedicação ao trabalho.

“O programa não busca os executivos do futuro, porque isso é uma consequência”, afirma a empresa a EXAME. “Queremos os melhores profissionais do presente, e o candidato deve entender que, para alcançar uma posição de executivo no futuro, deve primeiro construir uma carreira sólida e consistente”.

Candidato precisa ter o estilo do banco

Formada em administração de empresas pela FGV (Fundação Getúlio Vargas) em 2016 e mestranda em gestão internacional pela mesma instituição, Isadora Seixas será alocada na área de serviços de cash management ao final do programa de trainee do Safra.

Tanto para a graduação quanto para a pós-graduação, a jovem foi bolsista — no primeiro caso por renda e colocação no vestibular, e no segundo por desempenho durante a graduação.

Além do forte histórico acadêmico, ela tem inglês fluente e espanhol intermediário, mas nunca fez intercâmbio. Sua principal experiência internacional foi representar a FGV durante dez dias em um evento acadêmico em Portugal.

O alto nível da concorrência no processo seletivo do Safra chamou sua atenção. “O maior desafio é se destacar em meio a tanta gente qualificada e com experiências profissionais interessantes”, explica.

Para se diferenciar, Isadora apostou na importância que os examinadores dão à afinidade cultural entre o candidato e a instituição.

”Procurei manter a calma e responder às perguntas com seriedade e firmeza, abordando experiências que o Safra valoriza sem deixar, obviamente, de ser eu mesma”, conta ela. “Pode parecer clichê, mas acredito que, se você se identifica com a cultura da empresa logo de início, tudo fica natural”.

Seu conselho para jovens que sonham com a aprovação é conhecer o posicionamento do banco para confirmar seu interesse em fazer carreira lá. O ideal é pesquisar o máximo possível sobre a inserção da empresa no mercado e se fazer a seguinte pergunta: você realmente tem o estilo do Safra?

“Se você tem um perfil ‘mão na massa’ e se identifica com uma instituição tradicional, familiar e extremamente reconhecida no mercado, tem o perfil certo para trabalhar aqui”, resume Isadora. 

Programa começa com curso sobre finanças

Ao ser aprovado, o trainee do Safra não ingressa em um programa de treinamento, mas de ambientação. Para cada posição é elaborado um processo específico, no qual o jovem se envolve com a rotina das áreas ligadas ao cargo que vai ocupar no futuro.

A primeira etapa é a mesma para todos os trainees: um curso sobre mercado financeiro. Essa formação é complementada por um período de experiência nas áreas comercial e operacional das agências do banco.

No restante dos 9 meses de duração do programa, o jovem passa por um job rotation personalizado e tem acesso constante a todos os executivos do grupo, além de participar de seminários, palestras e projetos especiais.

Ao fim desse processo, o trainee se torna funcionário efetivo na área que escolheu no início do programa e pela qual foi aprovado.

A próxima seleção deve ser lançada entre setembro e outubro de 2018. Mais informações estão no site oficial do programa.